20 de outubro de 2019

Sonic The Hedgehog

A capa da versão PAL.
Desenvolvido por: Sonic Team
Publicado por: Sega
Director: Yuji Naka
Produtor: Shinobu Toyoda
Designer: Hirokazu Yasuhara
Artista(s): Naoto Ohshima, Jina Ishiwatari, Rieko Kodama
Compositor: Masato Nakamura
Plataforma(s):  Sega Mega Drive e um monte de outras tantas
Lançamento: 23-06-1991 (EUA), 26-07-1991 (JP), Julho de 1991 (EU)
Género: Plataformas
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Cartucho de 16-megabit
Funcionalidades: Nenhumas
Estado: (In)completo, faltam os manuais, capa repro e caixa com um pequeno dano atrás
Condição: Excelente
Viciómetro: Acabei-o umas duas ou três vezes.

E a respectiva traseira.
No anos 90, uma das coisas mais comuns entre as camadas jovens era ser cool. Ora então, o que quer isto dizer? Bom, de forma sucinta, era estar a par das modas, daquilo que se via e dizia  na televisão, daquilo que se ouvia na rádio e afins. Era usar roupa com cores garridas e alguns tamanhos acima por vezes. No fundo... era ser idiota e seguir a carneirada, algo que ainda hoje se comprova pois isto faz parte intrínseca da sociedade em que vivemos. Contudo a diferença aqui é que estávamos a falar de miúdos, facilmente impressionáveis e influenciáveis pelo consumo típico da época, logo era normal querermos ser cool. Um dos meios mais apelativos eram os videojogos, com uma panóplia de estereótipos enraizados nesta questão cultural e que se traduziam nos mais variados géneros. Um dos grandes responsáveis pela coolness foi sem dúvida Sonic The Hedgehog, o ouriço azul cheio de estilo e atitude, que fez muitos putos usarem o cabelo cheio de gel só para ser parecerem com ele (true story bro). E verdade seja dita, compreendo que o ouriço tivesse bastante mais sucesso relativamente ao canalizador, pois quem é que queria andar de jardineiras vestidas? Bom, eu andei mas não por gostar muito de Super Mario. Ora, esta introdução leva-nos então ao jogo de hoje, que embora o tivesse jogado imenso no passado, o certo é que nunca o tinha acabado mais do que uma vez até recentemente quando finalmente o joguei na minha Mega Drive, com tempo e disposição para tal. Esta versão do jogo está presente no Mega Games 6 Vol.3 que me foi oferecido pelo amigo Gonçalo Gonçalves do canal St1ka's Retro Corner. A capa repro foi concebida com base na original por mim mesmo.


Sonic The Hedgehog é daqueles jogos que dispensa toda e qualquer espécie de apresentações pois assume-se como um dos ícones que melhor representa os anos 90. E também até porque a história do jogo não é particularmente interessante onde o conhecido Dr. Robotnik roubou as Chaos Emeralds, aprisionou todos os animais em robots e cabe ao ouriço azul tratar do serviço, como depois se torna habitual ao longo de outros jogos.

Cartucho e caixa.
No departamento gráfico, Sonic The Hedgehog é um jogo fantástico e é sem duvida um dos pontos fortes que fez vender e bem este título. Os visuais são extremamente coloridos, com tons bastante garridos e uma variedade bastante boa de cenários e inimigos, cheios de pequenos detalhes e efeitos visuais que ainda hoje dão gosto contemplar. Os sprites são excelentes, com óptimas animações e todo o jogo tem uma performance exímia correndo a 60 frames (não na versão PAL, onde sofremos sempre com isto das conversões mal feitas) e sem grandes solavancos que tenha dado conta a não ser numa ou outra área. Cada área do jogo tem uma temática diferente o que o torna mais apelativo e interessante de se explorar. Mas se a vossa cena é a velocidade, Sonic The Hedgehog tem muita para oferecer, sendo que na altura mais nenhum jogo conseguia igualar os feitos que este proporcionava neste campo.

Gotta go fast!
Posso dizer o mesmo da componente sonora que é sem dúvida fantástica, com uma boa selecção de músicas que ainda hoje perduram na memória e que são tão icónicas quanto a do seu rival na altura (sim, as músicas dos jogos daquele canalizadorzeco). Os efeitos sonoros conferem aquele toque de distinção ao resto do jogo com alguns bastante reconhecíveis até mesmo fora do contexto do jogo como por exemplo o som dos anéis, que até é bastante útil actualmente quando se trata de analisar o som ao mais ínfimo pormenor, em versões posteriores à do hardware original. Sim, não é fácil de emular o som de uma Mega Drive assim como se possa pensar.

Estes níveis dão cabo da cabeça a muitos...
A jogabilidade em Sonic The Hedgehog é de uma simplicidade extrema pois resume-se a correr e saltar, podendo o ouriço cair em cima dos inimigos, a lá canalizador para os salvar da sua "condição robótica". Contudo, nem todos podem ser derrotados assim pelo que ao ganhar velocidade suficiente podemos rolar, tendo assim outra opção para atacarmos inimigos. Sonic The Hedgehog traduz-se em velocidade e este jogo é sem dúvida um marco nesse ponto pois podemos atravessar certos níveis em menos de nada, sobretudo os da primeira área. Porém, existem imensos segredos a serem descobertos se formos com calma, algo que a partir da segunda área se torna imperativo e nos, é de certa forma, forçado pois o level design muda bastante. E para vermos o melhor final, temos de recolher as Chaos Emeralds numa espécie de mini jogo que a meu ver não é muito bom e pode tornar-se frustrante.

Gotta go... slow!
Apesar de ser um excelente jogo, Sonic The Hedgehog peca por alguns males menores como por exemplo não ter o spin dash da sequela que dá um jeito enorme e foi algo introduzido em alguns ports do jogo mais tarde. Por outro lado também não tem nenhuma espécie de save que nos permita gravar o progresso e embora o jogo não seja enorme, é algo que dá sempre jeito. Outra coisa que a meu ver também agravou um bocado o meu tempo com o jogo é o facto dos níveis mais à frente se tornarem monótonos e sem velocidade praticamente nenhuma pois alguns chegam a ser labirintos que desafiam os nossos reflexos a saltar e evitar inimigos ou outras armadilhas, sem grandes possibilidades de recolher anéis.

Sonic The Hedgehog é sem dúvida um excelente jogo, com algumas falhas menores que foram todas corrigidas nas sequelas. Infelizmente não tenho ainda nenhuma delas para poder dar continuidade a estas análises na Mega Drive mas quando aparecerem, podem apostar que o farei. Até lá já sabemos que estamos perante outro JOGALHÃO DE FORÇA!

MURRALHÕES DE FORÇA:
 

Sem comentários:

Publicar um comentário