18 de março de 2019

Super C

A arte desta saga é excelente.
Desenvolvido por: Konami
Publicado por: Konami
Designer: Shigeharu Umezaki
Compositor: Hidenori Maezawa
Plataforma(s): Nintendo Entertainment System, Famicom, Nintendo DS, NES Classic Mini, PC (Windows)
Lançamento: 02-02-1990 (JP), Abril 1990 (EUA), 1992 (EU) (Versão NES)
Género: Run 'n Gun
Modos de jogo: Modo história para um ou dois jogadores
Funcionalidades: Co-op com dois jogadores
Outros nomes: Super Contra (JP), Probotector II: Return of the Evil Forces (EU)
Media: Não se aplica
Estado: Não se aplica
Condição: Não se aplica
Viciómetro: Acabei-o demasiadas vezes para ter um número preciso.

Parte traseira da caixa americana.
Se seguem aqui o blog com regularidade, já devem ter reparado que sou fã da saga Contra ou então não faria muito sentido o tema do blog em si ser alusivo a essa mesma. É provavelmente a minha saga favorita de sempre sem que eu ainda tenha dado conta porque gosto de outras tantas de igual forma mas esta deve mesmo ser a "tal". E tudo começou curiosamente não com a versão original de NES mas sim com a versão de Game Boy que até hoje continua a ser um dos meus jogos favoritos nessa plataforma e também a considero tecnicamente superior a qualquer versão de NES. Creio que já tinha abordado este tema com a saga Zelda no Game Boy, que a meu ver é também superior aos dois de NES sem dúvida nenhuma. Mas hoje estamos aqui para falar, ou melhor, escrever acerca da sequela desse clássico da Konami que tanta gente fez chorar pela sua dificuldade. Uma sequela não tão conhecida na Europa visto que nunca fazia parte do line up das Famiclones que abundavam no nosso mercado mas que invariavelmente saiu na sua vertente Probotector em 1992, um bocado tarde na vida da NES. Só a descobri anos mais tarde, ou melhor joguei a dita anos mais tarde pois tinha conhecimento da sua existência mas nunca tive acesso ao cartucho original. Quando a experimentei pela primeira vez foi via emulação e não fiquei muito surpreendido com aquilo que vi mas após ter jogado como deve ser a versão PC (que faz parte de uma colectânea obscura que inclui os três Castlevania e os dois Contra de NES), fiquei fã. Anos mais tarde, eis que nos chega a NES Classic Mini e para minha surpresa este jogo fazia parte do pacote.

11 de março de 2019

Super Mario Bros. 2

A capa americana.
Desenvolvido por: Nintendo EAD
Publicado por: Nintendo
Director: Kensuke Tanabe
Produtor: Shigeru Miyamoto
Artista: Tadashi Sugiyama
Compositor: Koji Kondo
Plataforma(s): Nintendo Entertainment System, Nintendo Classic Mini, Famicom e outras tantas
Lançamento: 09-10-1988 (EUA), 28-04-1989 (EU), 14-09-1992 (JP) (NES/Famicom)
Género: Plataformas
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Funcionalidades: Nenhumas
Outros nomes: Super Mario USA (JP)
Media: Não se aplica
Estado: Não se aplica
Condição: Não se aplica
Viciómetro: Acabei-o imensas vezes, demasiadas para me recordar ao certo quantas.

A traseira da capa americana.
Super Mario Bros. é provavelmente um dos jogos mais famosos de sempre e mesmo quem não seja fã de videojogos vai certamente associar o nome aos mesmos pois é algo que faz parte da nossa cultura pop. E o sucesso da NES começou com este jogo que vendeu milhares por todo o mundo, o que levou a Nintendo a procurar lançar uma sequela que voltasse a conseguir o mesmo êxito. O meu primeiro contacto com esta sequela nem sequer foi na NES mas sim num dos clones da Famicom, a Family Game, que eram bastante famosos durante os anos 90 e praticamente existia pelo menos um em tudo quanto era sítio. Havia sempre um miúdo que tinha um destes clones pois eram bem mais baratos que uma NES e já vinham com uma catrefada de jogos embutidos no sistema, alguns excelentes títulos bem conhecidos mas outros nem por isso. Foi numa tarde daquelas em que não se tem aulas que fui a casa da empregada doméstica de um colega de turma (isto até pode soar mal), que costumava ficar lá a passar as tardes antes de rumar a sua casa pois era uma maneira de não andar na escola ou na rua a fazer patifarias e a dita senhora sempre tomava conta da gente. Lá, no meio da sala tinha uma televisão pequena e a consola que eu sempre achei meio estranha pois não sabia que era um clone da versão japonesa, com imensos jogos mas o mais jogado era sem dúvida Super Mario Bros. 2. E passámos a tarde inteira a jogar aquilo à vez pois o jogo não suporta dois jogadores. Posteriormente lembro-me de me terem emprestado o cartucho original que joguei até à exaustão na minha NES. Foi preciso anos mais tarde lançarem a NES Mini para ter um exemplar aqui na colecção.

4 de março de 2019

Contra

Esta capa é lendária!
Desenvolvido por: Konami
Publicado por: Konami
Director(es): Shigeharu Umezaki (Umechan), Shinji Kitamoto
Designer(s): M. Fukiwara, S. Muraki, T. Nishikawa, C. Ozawa, T. Ueyama
Compositor(es): Hidenori Maezawa, Kiyohiro Sada
Plataforma(s): Nintendo Entertainment System, Famicom, Nintendo DS e outras tantas

Lançamento: 02-02-1988 (EUA), 09-02-1988 (JP), 28-12-1990 (EU) (NES/Famicom)
Género: Run 'n Gun
Modos de jogo: Modo história para um ou dois jogadores
Funcionalidades: Co-op com dois jogadores
Outros nomes: Probotector (EU), Gryzor (EU, Versão para computadores)
Media: Não se aplica
Estado: Não se aplica
Condição: Não se aplica
Viciómetro: Acabei-o demasiadas vezes para me lembrar, jogando-o com frequência ainda hoje.

Que saudades deste tipo de caixas.
Algures durante os anos 90, bem no início, o Game Boy era das coisas que mais me divertia e até  me impedia de me meter em sarilhos visto ser um puto endiabrado que não parava quieto por um segundo que fosse. Assim, quando estava de volta da pequena portátil da Nintendo, algo que era uma mais valia pois dava para levar para qualquer lado, ninguém dava por mim e até havia quem achasse estranho não sentir a minha presença, tal era o nível de actividade deste bicho. E foi graças a esta consola que descobri muitas das minhas séries favoritas dentro do vasto mundo dos videojogos, algo que na época era bem mais mágico do que hoje em dia. Uma dessas série foi Contra, ou melhor, Probotector visto que era esse o nome em território europeu e na Austrália, devido às políticas da Nintendo of Europe nessa época. E joguei a versão de Game Boy vezes sem conta, quase nunca indo muito além do nível 3 e por vezes do 4 até ao dia em que consegui tornar-me realmente bom no jogo e ver o final. Foi um momento único de concretização e satisfação pessoal para um miúdo de 12 anos. Mas não podia ficar por aqui e tinha de explorar a versão de NES, jogo que não tinha mas prontamente pedi emprestado. E tal não foi o meu espanto ao deparar-me com um jogo ainda mais difícil e maior, que ainda me consegue surpreender, tanto não seja pelas cheap deaths que proporciona. O exemplar que aqui apresento vem incluído no Contra 4, como bónus juntamente com o Super C.

28 de fevereiro de 2019

Ever Oasis

A cover art é apelativa.
Desenvolvido por: Grezzo
Publicado por: Nintendo
Director: Koichi Ishii
Produtor(es): Koichi Ishii, Toyokazu Nonaka, Toshiharu Izuno
Designer(s): Hiroyuki Kuwata, Kyouji Koizumi, Junichi Shinomiya
Artista(s): Yoshinori Shizuma, Yuichiro Takao
Argumentista(s): Katsumi Kuga, Shuntaro Tahara, Momoka Iseki, Shino Nakamura
Compositor: Sebastian Schwartz
Plataforma: Nintendo 3DS
Lançamento: 23-05-2017 (EU/EUA), 13-07-2017 (JP)
Género(s): Acção, Aventura, Role Playing Game
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Funcionalidades: Compatível com o modo 3D
Media: Cartão de jogo
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o uma vez com cerca de 40 horas de jogo mas ainda estou a fazer algumas side quests que aparecem depois do final.

(A partir de agora o ritmo vai abrandar pois tenho a lista de jogos físicos em dia. Resta-me pegar nos que faltam jogar, analisar alguns digitais e até da NES/SNES Mini)

Estes raramente têm autocolantes.
A Nintendo 3DS pode estar no seu final de vida mas o seu catálogo de jogos é deveras um dos mais consistentes em termos de qualidade e onde actualmente se encontram imensos RPGs nas suas mais diversas variantes. Grande parte dos jogos mais recentes foram quase todos dentro deste género o que prova que a consola é óptima não só por ser portátil mas também por oferecer um leque variado dentro do género. E se explorarmos bem as coisas, encontramos algumas surpresas como foi o caso do jogo que apresento aqui hoje. Este exemplar foi adquirido algures em Janeiro de 2019, na Toys 'R Us do Almada Fórum, por 20€.