11 de agosto de 2016

Covers & Boxes - Complementando um hobby!

Nem só de análises e opiniões vive o JDF. O aspecto do blog e tudo o resto são elementos importantes para a harmonia do todo. Mas não, não vamos mudar de aspecto (por agora) pois isso está reservado algures para 2017. O post de hoje é dedicado única e exclusivamente a outro hobby que surgiu por meio da jogatana e que se resume a edição de imagem aplicada neste caso a tudo o que é relacionado com videojogos. Neste caso concreto a capas e caixas de jogos que existem em formato físico mas também a outras que são completamente originais e foram em parte fruto da minha imaginação alimentada por tudo o que anda pelas internets fora. E não se resume apenas aos jogos em si mas também a outros projectos imaginários, como por exemplo, uma revista do blog em formato físico. Mais abaixo, podem contemplar alguns dos exemplos que agora partilho de bom grado com o devido "Director's Comment". Futuramente pondero disponibilizar todas as capas e caixas que já elaborei de modo a que possam usufruir das mesmas caso tenham jogos soltos e afins.


Para começo, podia estar pior.
Começando pelo início, esta história de fazer capas já vem de longe ainda no tempo em que a internet era lenta, os recursos eram escassos e os editores de imagem eram pouco mais do que o Paint. Ainda assim recordo-me de ter feito bastantes capas nesta época embora, infelizmente, não tenha muitos exemplos para vos mostrar sendo que o único que tenho ainda guardado é esta parte traseira para jewel case de uma compilação de roms de Neo Geo que fiz. Como podem constatar, bastante básica mas já com todos os elementos pertinentes devidamente inseridos como informação sobre o conteúdo, screenshots, logos e artwork. Mas muitas outras se seguiram (maioritariamente de jogos de PlayStation que arranjava copiados *shame on me*) e a coisa evoluiu naturalmente.

A Ada tinha de fazer parte.
Após um hiato de alguns anos sem mexer nestas coisas, na altura em que adquiri a GameCube algures em 2005, voltei à carga devido a um motivo: o disco de extras de Resident Evil 4. Este disco acompanhava a Limited Edition da consola, juntamente com o jogo mas nem se deram ao trabalho de incluir uma mini jewel case para o mesmo sendo que este vinha dentro de uma sleeve de papel branco. Não contente com a surpresa decidi fazer uma capa que fizesse justiça ao conteúdo do disco e o resultado foi este que podem ver. Embora não seja um trabalho nada por aí além, foi feito a pensar no pobre disco sem caixa e no seu importante conteúdo que inclui uma demo jogável do excelente Metroid Prime 2 - Echoes. Agora já se nota uma maior atenção ao detalhe a começar pela fonte inspirada na fonte original do jogo e terminando na fonte que compõe o pequeno espaço dedicado a Metroid. Nada do outro mundo uma vez mais mas certamente uma evolução.

Descubram as diferenças!
Com a colecção a aumentar é normal que alguns dos jogos mais antigos que se arranjam hoje em dia não tenham caixa nem instruções. Isto começou a fazer-me um bocado de confusão pois embora não tenha assim muitos jogos soltos (felizmente) os que tenho são jogos que prezo bastante e sempre achei que deviam ter uma caixa a condizer. Uma vez que não é de todo fácil arranjar as caixas originais soltas e em boas condições (ou minimamente decentes), decidi meter mãos à obra e surgiu uma panóplia de caixas para vários sistemas, nomeadamente Game Boy (original e Advance), NES e SNES. A primeira de todas foi a deste Super Mario Land, que foi baseada na caixa tanto quanto consegui desde a artwork às fontes utilizadas bem como as cores que predominam. Usei para tal um template que facilmente se pode encontrar na net em sites dedicados à elaboração e preservação de caixas e manuais, com as medidas exactas da caixa original e pronto para impressão, tendo modificado o mesmo à minha maneira para futuros trabalhos. Futuramente irei disponibilizar as caixas já feitas e talvez aceite pedidos para novas caixas como já fiz para alguns amigos.

Versão eleita para final.
Com todo este entusiasmo crescente, decidi ir um pouco mais além e começar a criar caixas e capas para jogos que não existem em formato físico (seja no mundo inteiro ou apenas no ocidente como acontece em alguns casos) e até jogos fanmade já lançados ou ainda em desenvolvimento. Foi aqui a que a coisa escalou e a criatividade deu largas surgindo alguns projectos engraçados como é o caso desta capa para Resident Evil 1.5, um jogo cancelado mas que actualmente se encontra em desenvolvimento por um grupo de talentosos e ávidos fãs da saga. O meu contributo surge então neste conjunto de capas que elaborei com bastante gosto tendo usado como base um template de PlayStation PAL pois sendo europeu faz muito mais sentido. Utilizei para tal artwork menos conhecida ou que foi usada para fins promocionais de Resident Evil 2 pois achei que se adequava em tudo ao tema. Somando todos os pontos penso que o resultado foi bastante positivo na minha opinião.
Versão a preto e branco.
Com artwork do manual de RE2.
Com o famoso olho de William Birkin.
Versão 1.
Versão 2 (fonte diferente).
Uma das minhas capas favoritas.
Mas como é de calcular a coisa não podia ficar por aqui e foi a vez de criar uma capa para um jogo sem lançamento físico. De tantos muitos que joguei e gostei tive de escolher um e não tendo sido fácil, a minha escolha foi Hard Corps - Uprising, o último jogo na série Contra que foi lançado na PS3 e Xbox360. Para grande pena minha, não existe em formato físico nem para mais nenhum outro sistema, o que o torna um bocado limitado e acima de tudo uma hidden gem. Com estes pretextos, tive de imaginar uma possível capa para um lançamento físico digno deste jogo e foi assim que surgiu esta Commonwealth Edition, que podem agora contemplar. A edição desta já foi mais pesada com muitos mais pormenores como é de constatar, utilizando alguma artwork original mas dando preferência a fanart para a frente conferindo-lhe assim um look bastante clean e distinto. E poucas que fiz para PS3, esta é sem dúvida a minha favorita.

Versão europeia.
Ainda na criação de capas para jogos não existentes (até certo ponto), decidi meter mãos ao trabalho e criar uma caixa de raiz para um jogo que apenas saiu no Japão para o Game Boy. Este dá pelo nome de Makai-Mura Gaiden - The Demon Darkness ou como é conhecido no ocidente, Gargoyle's Quest II. Embora tenha sido lançado na NES e seja virtualmente idêntico à versão de Game Boy, fiz questão de criar uma caixa para a suposta versão ocidental do jogo na pequena máquina da Nintendo e a ocasião foi a ideal pois tinha acabado de sair uma fan translation em inglês com base na versão NES. Assim fiz exactamente aquilo que pretendia: criar duas versões (europeia e americana) com base na capa da versão NES, para o Game Boy. O resultado é o que podem agora ver, tendo utilizado a artwork oficial do jogo e mantendo os pequenos pormenores de ambas as versões (os selos de qualidade e logos da Capcom diferentes entre outros pequenos elementos). Modéstia à parte penso que o resultado ficou bastante bom mas digam de vossa justiça, se for caso disso.

Versão americana.
Confesso que gostava de ver isto nas lojas.
Mais recentemente, aliás há coisa de dias atrás, surgiu o tão aguardado remake de Metroid II - Return of Samus sob o nome AM2R. Como seria de esperar, o jogo está excelente e é sem dúvida um dos melhores Metroid's que joguei até hoje. Mas infelizmente, uma vez que que utiliza assets de outros jogos da saga, a Nintendo fez o que lhe é de direito e o jogo foi rapidamente retirado dos sites onde estava alojado embora a equipa continue a gerir o blog do mesmo e o projecto se mantenha de pé. Tendo apenas sido lançado para PC, o certo é que o jogo tem uma qualidade surpreendente e num futuro utópico devia ser lançado em consolas Nintendo. Cheguei-me à frente e criei uma capa para a versão da Nintendo 3DS, que a meu ver é onde o jogo devia ser oficialmente lançado e ser um sucesso. O resultado é este que podem agora contemplar em todo o seu esplendor.

Que tipa feia!
Embora não tenha sido grande fã da Sega no passado (agora tenho-os noutro patamar), o certo é que sempre gostei de alguns dos seus IP's e joguei muitos jogos que são Only on Sega. Mas há um sistema em particular que foi "infectado" por capas com artwork abismal. Sim, vocês sabem que é a Master System com as suas infames Grid Covers. Foi nesse âmbito que há uns meses atrás surgiu o Sega Master System ::: The Grid Cover Restore Project, um projecto que podem ver na página do JDF no Facebook. Basicamente refiz grande parte destas capas, apenas a frente, com base em artwork japonesa dos respectivos jogos, em capas de manga's menos conhecidos e, em última instância, em imagens que se adequavam ao tem a do jogo em questão. Aqui fica um exemplo da primeira que fiz.


Mais parecida com a original...

A gloriosa primeira capa!
Bom, como tudo tem um fim, este artigo também terá. Mas antes de terminar deixei para o final o "melhor". Se o JDF tivesse uma versão física, não digo uma revista de 100 e tal páginas, nem tão pouco de 50 mas uma coisa assim mais pequenina teria, como é evidente, de ter uma capa. Assim surgiram duas capas com base em posts de determinados meses. Isto foi mais por brincadeira e porque alguma coisa me puxou pela criatividade, fosse uma conversa ou algo que vi. Não me lembro ao certo. Mas após ter surgido a primeira capa, correspondente ao número 1, o volume inaugural, depois fiz outro volume aleatoriamente e de futuro mais surgirão portanto estejam bem atentos. Mas vejam agora os dois únicos exemplos existentes.


E a segunda não menos bonita.
E é isto. Um mini hobby nascido de outro hobby bem maior mas que pretendo continuar a nutrir por muitos e bons anos!

Sem comentários:

Publicar um comentário