25 de abril de 2012

YLOD - O terror das PS3

Tanto jogo que passou por aqui...
Pois é meus amigos, estava eu descansadinho da vida a jogar mais uma partida de Zombies online no Call of Duty - Black Ops quando de repente o jogo começa a comportar-se de modo estranho (como se tivesse a ligação prestes a cair) e subitamente a PS3 desliga-se. Pensei eu, "bom, crashou e fez hard reset, já tinha acontecido anteriormente numa rara ocasião". Mas rapidamente essa suspeita caiu por terra pois a luz vermelha ficou a piscar intermitentemente, algo que nunca tinha visto. Lá carreguei no botão do power e aquilo parou de piscar. Desliguei-a da corrente, voltei a ligar e power on. Piscou verde, azul e... amarelo, voltando ao vermelho intermitente. Sabia que isto era muito mau sinal e logo me apressei a tirar o disco da consola, recorrendo a um método comum para utilizar os dissipadores de calor ao máximo, expulsando não só disco da consola como também poeira. Consultei uns quantos fóruns da especialidade, incluindo o oficial da Sony e o veredicto era apenas um: Yellow Light of Dead (YLOD), o equivalente ao Red Ring of Death (RROD) da Xbox360.

A solução? Bom, uma vez que é a terceira consola desde 2007, a garantia já era há muito e o arranjo pelo que li, fica por 180€, algo que considero absurdo pois a consola nunca irá ficar a 100% segundo alguns testemunhos. E pelo preço mais vale investir numa slim nova, algo que farei a longo prazo pois agora vou mesmo ficar alguns tempos sem tocar em nada de PS3. Esta, quando tiver outra, vai ser submetida a uma "cirurgia" para resolver o problema e ficar a conhecer as entranhas do bicho em maior profundidade.

E é isto. :\

20 de abril de 2012

Grand Theft Auto - Vice City Stories


Capas Platinum... ergh!
Desenvolvido por: Rockstar Leeds, Rockstar North
Publicado por: Rockstar Games
Plataforma(s): PlayStation Portable, PlayStation 2
Lançamento: 31-10-2006 (EUA), 03-11-2006 (EU), 06-12-2007 (JP)
Género: Acção, Aventura, Sandbox
Modos de jogo: Modo história para um jogador, Multiplayer via Ad-Hoc para seis jogadores
Media: Universal Media Disc (1.5GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Stick, Compatível com Wireless para entre 2 a 6 jogadores, Banda sonora personalizável
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o uma vez e nunca mais vou jogá-lo.

(Esta Primavera mais parece Inverno...)

Atrás tem melhor aspecto.
Quando a PlayStation Portable veio ao mundo, as promessas de jogatana portátil eram mais do que muitas, com imensas editoras e estúdios a tentarem mostrar o que a pequena máquina da Sony era capaz de fazer. Era normal ficar empolgado com o anúncio de certos jogos, nomeadamente sagas que seguia desde a primeira PlayStation, pois a PSP tinha tudo para que resultassem. No entanto, embora esteja bem recheada de bons títulos, nem todos atingiram o patamar desejado por diversas razões sendo uma delas a ambição. Mas já elaboro esta ideia mais adiante. Este exemplar, em versão Platinum, chegou-me à colecção na mesma altura que o Dracula X Chronicles (também para PSP), visto ter sido fruto de uma promoção na altura de dois jogos por 25 euros. Este veio por acréscimo e pelo facto de não haver nada na lista de jogos que me interessasse.

19 de abril de 2012

Jogalhões de Força - O 3º aniversário!

Este ano apertámos os cordões à bolsa!
Quando há 3 anos atrás arranquei com este projecto nunca pensei que chegasse tão longe até porque quando as coisas são one man army, dificilmente chegam ao final, se é que se pode dizer que há um final. O certo é que volvidos 3 anos disto, a coisa continua sobre rodas tendo o ano de 2011 sido um dos mais produtivos de sempre pois consegui a proeza de escrever 270 análises, isto já para não contabilizar o número de fotos tiradas e ainda a incessante procura por bons screenshots e demais arranjos. Mas o resultado está à vista e o projecto continua pois os jogos continuam a chegar e não têm fim aparente. 

Creio que o objectivo principal, mostrar a colecção ao mundo, tem sido levado a sério e isso reflecte-se pelo número de visitas e por alguns habituais seguidores que vão dando feedback. Desde já, os meus agradecimentos pelo apoio. Não quero contudo esquecer os contribuintes e doadores, que têm ajudado a colecção a crescer pois nem sempre sou eu que compro as coisas e algumas são me oferecidas ou doadas por quem tem conhecimento do meu passatempo. Um agradecimento especial a todos.

E é isto, o JOGALHÕES DE FORÇA está de parabéns e continua em grande, com mais uma análise, já amanhã! :)


13 de abril de 2012

The Legend of Zelda - Skyward Sword [Limited Edition Pack]


As respectivas caixas, bem douradinhas.
Desenvolvido por: Nintendo EAD, Monolith Soft
Publicado por: Nintendo
Director: Hidemaro Fujibayashi
Produtor(es): Eiji Aonuma, Shigeru Miyamoto, Satoru Iwata
Designer: Yoshiyuki Oyama
Compositores: Hajime Wakai, Shiho Fujii, Mahito Yokota, Takeshi Hama, Koji Kondo
Plataforma: Nintendo Wii
Lançamento: 18-11-2011 (EU), 20-11-2011 (EUA), 23-11-2011 (JP)
Género: Action Role Playing Game
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: DVD-ROM (4.7GB)
Funcionalidades: 3 slots para gravação de progresso na memória interna da Wii, Compatível apenas com o Wii Motion Plus ou Wii Remote com Wii Motion Plus integrado
Estado: Completo
Condição: Impecável 
Viciómetro: Acabei-o uma vez fazendo tudo o que havia para fazer mas não apanhei as Pieces of Heart todas (falhei 3 e não tive pachorra).

(Este tempo não dá com nada...)

Atrás, menos douradas e com mais texto.
Quando há cerca de 25 anos atrás Shigeru Miyamoto via lançada na Nintendo Entertainment System uma das suas muitas obras, fruto da sua imaginação sem limites, estava longe de imaginar que esta iria dar origem a uma das mais icónicas sagas de sempre no mundo dos videojogos. E não me refiro a Super Mario Bros. mas sim a The Legend of Zelda, um dos jogos que fez muito boa gente perder, no bom sentido, horas da sua infância, da sua adolescência, enfim horas de vida, em busca do Triforce e da princesa que dá o seu nome ao jogo. Muitos anos após este começo, inúmeros jogos foram produzidos, sempre com ideias frescas, surpresas e outros tantos devaneios oriundos do génio de um japonês sonhador que vai buscar as suas ideias às brincadeiras que tinha enquanto criança. O facto é que jogo após jogo, continua a deixar-nos presos ao ecrã da televisão e o mais recente, este que trago até aqui hoje, não é excepção. O exemplar em questão foi um dos presentes que recebi no Natal de 2011, pela mão da minha irmã que tem ajudado neste meu passatempo e que tão bem conhece os meus gostos. Como se isso não bastasse, presenteou-me com o Limited Edition Pack, que traz para além do jogo, um Wii Remote dourado, já com o Wii Motion Plus integrado, um CD de música comemorativo dos 25 anos intitulado The Legend of Zelda - 25th Anniversary Special Orchestra CD e um pequeno booklet alusivo à data com comentários dos criadores, compositores e afins.

5 de abril de 2012

Dead Space 2 [Collector's Edition]


Ao vivo a capa é bem melhor.
Desenvolvido por: Visceral Games
Publicado por: Electronic Arts
Compositor: Jason Graves
Motor gráfico: Visceral Engine
Plataforma(s): PlayStation 3, Xbox360, PC
Lançamento: 25-01-2011 (EUA), 28-01-2011 (EU)
Género: Survival Horror, Third Person Shooter
Modos de jogo: Modo história para um jogador, Multiplayer online até 8 jogadores
Media: BluRay
Funcionalidades: Gravação de progresso no disco rígido da consola (3.8MB mínimo), Suporte HD 720p, 1080i, Compatível com DualShock 3, DLC adicional
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o quatro vezes.

(Nada de novo a norte. Ou a sul.)

Na foto não brilha.
Ao contrário do que seria de esperar, o post de hoje não é nenhuma análise, breve ou longa, pois o jogo em questão já foi analisado e exposto, não existindo diferença alguma no mesmo (o código de disco é exactamente o mesmo que na Limited Edition). Em vez disso, trago até aqui uma edição especial que veio parar à colecção apenas por mero acaso e por tê-la encontrado a €14.90. E o porquê de a ter comprado se já tinha o jogo? É uma edição de coleccionador e estava barata, dois motivos fortíssimos para não se ignorar tal oportunidade. Bom, passemos então às diferenças/extras que esta edição oferece.