21 de setembro de 2017

Top 5 - Série Contra


Hoje em dia é comum os jogos serem fáceis. É um facto mais do que comprovado nos variados géneros que existem dentro deste universo. Mas o certo é que existem alguns que são propositadamente difíceis numa espécie de revivalismo para nos relembrar de tantos outros que jogámos no passado e que nos fizeram suar as estopinhas ou em última instância, proferir chorrilhos de palavrões para a televisão. São estes que se tornaram famosos, que nos fazem lembrar o longo trilho que percorrermos e o desafio que proporcionaram até que os conseguimos terminar, deixando-nos uma sensação de dever cumprido como nenhuma outra. E é aqui que entra uma das minhas sagas favoritas de todos os tempos: Contra. Uma saga que separa os meninos dos homens de barba rija e que testa os nossos reflexos e memorização como nenhum outro jogo do género bem como a nossa paciência. E se hoje existem jogos difíceis mas desafiantes, bem podem agradecer ao legado que Contra deixou neste campo. Mas o que interessa no meio desta introdução toda, é apresentar o meu Top 5 da série Contra com base na experiência que tive com cada um deles. Creio que o único que falhei foi mesmo o Neo Contra, tendo jogado todos os outros em diferentes plataformas e não contando com coisas como o Contra Evolution ou jogos mobile manhosos. Bom, vamos a isto!

20 de setembro de 2017

Alleyway

Capa da versão americana.
Desenvolvido por: Nintendo R&D1, Intelligent Systems
Publicado por: Nintendo
Designer: Gunpei Yokoi
Produtor: Shigeru Miyamoto
Compositor: Kenji Yamamoto
Plataforma(s): Nintendo Game Boy, Virtual Console
Lançamento: 21-04-1989 (JP), 11-08-1989 (EUA), 28-09-1990 (EU), 06-06-2011 (VC)
Género: Breakout clone
Modos de jogo: Modo arcade para um jogador
Media: Não se aplica
Funcionalidades: Nenhuma
Estado: Não se aplica
Condição: Não se aplica
Viciómetro: Joguei-o várias vezes mas nunca me dediquei a chegar ao final.

(Pelo menos o tempo continua bom!)

Yep, that's a-me... Mario!
Hoje para variar um bocado vamos entrar em modo Jogalhões Flash, que para quem não sabe, são análises rápidas e curtas mas sempre concisas de jogos que já tivesse analisado noutras plataformas, jogos com muito pouco conteúdo ou somente aqueles que pouco joguei mas deu para ficar com uma boa impressão dos mesmos. Assim sendo, este exemplar digital chegou à colecção algures entre Julho e Agosto de 2015, tendo sido fruto da troca de pontos do antigo Club Nintendo antes deste ter dado lugar ao My Nintendo tal como o conhecemos.

19 de setembro de 2017

Metro - Last Light [Limited Edition]

M de Metro...
Desenvolvido por: 4A Games
Publicado por: Deep Silver
Director: Andrew Prokhorov
Designer: Viacheslav Aristov
Artista: Andrey Tkachenko
Argumentista(s): Dmitry Glukhovsky, Andrew Prokhorov, Andrey Paskhalov, Paul DeMeo, David Slagle
Compositor(es): Alexey Omelchuk
Motor Gráfico: 4A Engine
Plataforma(s): PlayStation 3, PlayStation 4, Xbox360, XboxOne, PC, MacOS, Linux
Lançamento: 14-05-2013 (EUA), 17-05-2013 (EU)
Género: First Person Shooter
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Blu-Ray Dual Layer (50GB)
Funcionalidades: Instalação de 2939MB no disco rígido, Compatível com função de vibração, HD 720p, 1080i, 1080p. DLC adicional
Estado: Completo
Condição: Impecável 
Viciómetro: Acabei-o uma vez em Normal. Hei-de arranjar a versão Redux e passá-lo de novo.

(E o Verão já lá vai...)

Sem autocolantes feios.
Um bom livro pode-nos levar aos lugares mais incríveis sendo que o único limite é mesmo a nossa imaginação. Adaptado a filme ou série, a coisa fica muito mais contida dentro da visão de quem fez essa adaptação e a nossa experiência fica limitada a isso mesmo. E se adaptado a videojogo? Bom, aqui o caso, ainda que esteja condicionado pela adaptação em si, permite outro tipo de liberdade que nem um filme nem o próprio livro permitem: somos nós que tomamos as nossas decisões quando a ocasião o permite. Portanto, ainda que estejamos a seguir um ponto de continuidade, cabe-nos a nós decidir como chegar ao final. O jogo que trago até aqui hoje, é sequela de outro que começou por ser um livro e mais tarde foi adaptado, resultando assim numa experiência muito particular e acima de tudo bem conseguida. Este exemplar, que chegou à colecção algures entre Julho e Agosto de 2015 resultou de uma troca por um exemplar extra de Borderlands 2 que tinha perdido aqui por casa. Sendo a Limited Edition do jogo, os extras que inclui são apenas alguns DLC's, como uma arma extra, um modo de dificuldade acrescido e dinheiro in-game.