10 de outubro de 2009

Contra ReBirth


Capa custom made.
Desenvolvido por: M2
Publicado por: Konami
Plataforma: Nintendo Wii (WiiWare)
Lançamento: 12-05-2009 (JP), 04-09-2009 (EU), 07-09-2009 (EUA)
Género: Run ‘N Gun
Modos de jogo: Modo história para um ou dois jogadores
Media: Sem suporte físico
Funcionalidades: Co-Op local para dois jogadores
Estado: Não se aplica
Condição: Não se aplica mas dentro da consola está óptimo
Viciómetro: Acabei-o já várias vezes. É jogo para se jogar quase todos os dias.

(Visto este jogo em particular não existir em suporte físico, ilustro esta entrada no blog com ecrãs de jogo para que todos fiquem felizes da vida! De qualquer modo, tem mesmo de ser assim senão levariam só com texto e certamente não o iriam ler até ao fim.)

Quem nasceu na década de 80 e até um pouco antes, muito provavelmente cresceu com relatos de conflitos armados noutros países, filmes que retratam ou se baseiam nesses mesmos eventos e, claro está, videojogos. Contra (Probotector na Europa) é daquelas sagas que reflectem bem essa época uma vez que foram retirar muitos bocadinhos de inspiração a todas essas guerras e filmes, tornando assim o mundo do videojogos um lugar muito melhor e algo controverso. Já joguei imensos jogos da saga Contra e este Contra ReBirth é sem dúvida um daqueles que vicia ao nível de Contra III (Super Probotector: Alien Rebels) e até mesmo do Operation C (Probotector de Game Boy). Escusado será dizer que dei 10 euros, o equivalente a 1000 Wii Points, por este jogo na loja online da Nintendo visto não existir em mais nenhum sítio…



A malta gosta é disto, salganhada!
Contra ReBirth não é o melhor jogo da série, nem eu sei bem qual será mas este tenho a certeza absoluta que não é. Contudo, tem tudo o que fez da saga Contra aquilo que é hoje e que se traduz em jogabilidade, dificuldade, bosses enormes e explosões! Não prima pela história, que se resume a uma nova invasão extraterrestre, desta vez por parte de um tal Chief Salamander e o seu exército de lagartos e outras viscosidades. Continuo a preferir os extraterrestres com um look Alien dos outros jogos mas cada qual com os seus gostos. Inicialmente podemos optar por duas personagens: Bill Rizer, já conhecido da malta e Yagyu, oriundo de Neo Contra onde se chama Jaguar. Ao jogarmos nas diferentes dificuldades desbloqueamos Brownie, que fez a sua primeira aparição em Contra Hard Corps na Megadrive e Plissken, um lagarto inteligente que não faço ideia de onde venha. Posso dizer que graficamente acho o jogo muito bom, ainda que, não seja uma obra prima estilo Contra III mas cumpre o seu trabalho com os visuais saudosos dos 16-bit. A nível sonoro fiquei fascinado com os remixes das já conhecidas músicas dos antigos jogos e garanto que é o melhor jogo da saga neste campo. Digam o que disserem. Os efeitos sonoros e afins também são impecáveis.

Contra no seu melhor!
Claro que Contra não vive, nem nunca viveu disto, mas sim da jogabilidade e neste campo é de se tirar o chapéu. Se jogaram Contra III, vão sentir-se como peixinhos na água com Contra ReBirth, pois é tudo muito idêntico e fácil de assimilar. Podemos ter duas armas em simultâneo, fixar a posição da personagem enquanto disparamos e tudo isto optando por jogar com o Classic Controller, Wii Remote e até mesmo o comando da GameCube que suporta vibração. O grande problema é que quando derem por isso já acabaram o jogo! E digo isto porquê? Porque o jogo, como todos os jogos, não é perfeito. Para começar é muito curto, apenas 5 níveis! Os níveis, idem aspas, curtíssimos e por vezes sem grande inspiração na decoração dos cenários, como em Contra III onde cada nível era um mimo visual. Também não suporta 16:9 ainda que dê para esticarmos a imagem até preencher o ecrã mas não é a melhor solução. Os continues são infinitos (isto pode ou não ser mau, depende das pessoas). A história poderá deixar muito boa gente confusa pois a passagem de um nível para o outro parece não fazer muito sentido e a meu ver nem vejo onde se encaixa no meio disto:

Contra, Super Contra, Operation C, Contra III, Contra 4, Contra Hard Corps, Contra Shattered Soldier, (Contra ReBirth)?, Neo Contra

Olha quem é ele!
Isto devido essencialmente às personagens. Outro ponto negativo é a ausência de um modo Co-Op online e um sistema de ranking para podermos comparar as pontuações e continues usados com outros jogadores. A escassez de armas também é outro ponto que deixa os fãs na mó de baixo, apenas três powerups e nada de bombas como em Contra III. Ah, e claro o preço que se deveria situar entre os 500 e 800 Wii Points mas enfim…

Fora tudo isto, é um bom jogo, daqueles que irão jogar daqui a 10 anos sem problemas de “grafismo antiquado” ou jogabilidade básica e redundante. E como tal é um JOGALHÃO DE FORÇA!

Brevemente, algo que já foi pedido algures num comentário a um dos jogalhões anteriores. Se calhar...

MURRALHÕES DE FORÇA:
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário