7 de setembro de 2011

Killzone 3 [Helghast Edition]

Mais um steelbook catita.
Desenvolvido por: Guerrilla Games
Publicado por: Sony Computer Entertainment
Director: Mathijs de Jonge
Designer: Hermen Hulst
Compositor: Joris de Man
Motor gráfico: In-house engine, Havok (física)
Plataforma: PlayStation 3
Lançamento: 22-02-2011 (EUA), 24-02-2011 (JP), 25-02-2011 (EU)
Género: First Person Shooter
Modos de jogo: Modo história para um ou dois jogadores, Multiplayer online para até 32 jogadores
Media: Blu-Ray Dual Layer (50GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no disco rígido, Compatível com PlayStation Move, Compatível com Função de Vibração, HD 720p, Compatível com 3D, DLC adicional
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o três vezes.

(Quase, quase a chegar ao "fim".)

O caixote, literalmente!
Já aqui trouxe inúmeros FPS visto ser um dos meus géneros favoritos pois é suficiente braindead para se pegar em qualquer altura e jogar, algo útil nos tempos que correm visto não termos muito tempo livre para despender neste tipo de actividades. E como já falei de FPS vezes sem conta, com facto mais ou menos curiosos, hoje não me apetece alongar-me na introdução portanto vou assim directo ao cerne da questão. O jogo de hoje faz parte de uma série que sigo desde a PS2 e este exemplar, foi-me oferecido no meu aniversário em 2011. Tratando-se da Collector's Edition faz-se acompanhar do Retro Map Pack para uso no multiplayer, um tema dinâmico para o XMB da PS3 e ainda a banda sonora em formato digital para download na PSN. Ah, e vem num bonito steelbook. Posteriormente adquiri a Helghast Edition (baratinha) e livrei-me da Collector's Edition que vinha incluída o que fez com que os extras ficassem por 10 euros.


No stickers attached!
Killzone 3 é a sequela do jogo anterior que tanto hype provocou, com críticas tanto positivas como negativas, em certos aspectos. Neste a história começa a meio mas imediatamente regressa ao ponto de partida que foi o final de Killzone 2, uns meses antes destes eventos, onde Rico e Sev se encontram às portas do palácio de Scolar Visari. Após se reunirem com o capitão Jason Narville, começam a evacuar quando são surpreendidos por uma enorme resistência por parte dos Helghast, liderados pelo Admiral Orlock. Quem gostou disto foi Jorhan Stahl, o maior fabricante de armas em Helghan. No meio disto tudo, Jammer contacta Rico, visto a sua equipa estar metida numa embrulhada, o que faz com que este se separe do resto do grupo. Uma coisa é certa, ninguém sai de Helghan sem haver sangue e o resto cabe-nos a nós desvendar.

A cabeçorra do bicho.
Killzone 3 tem uns visuais estupidamente bonitos, é um facto. Para um FPS, claro está. Se o comparar a Uncharted 2, por exemplo, não tenho dúvidas de qual é o melhor. Mas ainda assim, conseguiu-se melhorar o grafismo apresentado em Killzone 2, nomeadamente em termos de variedade cénica, agora com selva e montanhas geladas a juntarem-se aos habituais cenários urbanos. Há ainda mais algumas surpresas neste campo que pretendo não estragar para quem possa vir a jogar. A utilização das sombras e da iluminação está bastante superior ao seu antecessor, bem como os modelos das personagens, com excelentes animações e boas expressões faciais, algo que hoje em dia se destaca em qualquer jogo pois está tudo tão "realista" que é impossível não reparar. As texturas estão também melhores do que anteriormente, bem como todos os efeitos visuais, como fumo, água, neve, motion blur e afins. A própria Guerrilla afirma que o jogo utiliza quase 100% do "poder" da PS3, algo que uma vez mais desconfio que não seja inteiramente verdade. O que realmente me agradou ver foi a dimensão de certos objectos, nomeadamente quando se trata de arsenal bélico dos Helghast. Mais não digo.

Inlay, manual, voucher e disco.
Sonoramente, Killzone 3 tem uma banda sonora bastante boa, a condizer com a acção e acompanhando esta de forma subtil, algo que actualmente é característico em quase todos os jogos deste género. Quero com isto dizer, que oscila entre o calminho e o acentuadamente agitado, nas cenas de batalha mais épicas, que neste jogo não são poucas. O voice-acting continua impecável, com imenso diálogo entre personagens, sobretudo nas cutscenes, conseguindo desterrar certos e determinados filmes. O resto é aquilo que podem esperar de um FPS, tiros, explosões e tudo mais o que compõe um cenário de guerra em termos sonoros.




O artbook guardado pelo sniper de serviço.
E o que mudou em Killzone 3? Bom, a jogabilidade mudou um pouco. Quando digo um pouco refiro-me a tweaks e pouco mais do que isso. O controlo é menos rígido do que no anterior mas ainda assim não tão solto como num CoD. Isto a meu ver até é bom pois as personagens parecem mais humanas e os seus movimentos mais verosímeis. O esquema de controlo default agora é quase igual ao dos que vimos nos CoD mais recentes, algo que a Guerrilla deve ter tido em consideração depois de reclamações/sugestões de quem joga.

Mais um lindo dia em Helghan...
Contudo, não foi só isto que mudou. Os melee attacks agora são mais variados, não se resumindo apenas a "espetar a faca no madafaca", mas também a partir pescoços, enfiar dedos nos olhos, entre outras formas brutais de matar gente, pertinho e sem fazer estrilho. Eu gostei desta original inovação. Por outro lado, podemos também fazer slide to cover, como em Medal of Honor, utilizando depois o sistema de cover, que surgiu em Killzone 2 e que continua a não ser de todo algo útil. Melhorou mas não na totalidade. Armas novas fazem também as delícias dos gun nuts, especialmente a WASP, um lança rockets que tanto pode ser utilizado montado como andarmos com ele atrás, sendo que nos permite limpar os inimigos de duas formas, com lock-on directo ou distribuir os mísseis por vários alvos em simultâneo.

A morte vem mesmo dos céus.
Por outro lado, Killzone 3 está mais variado em termos de combates, sendo que em certos níveis vamos andar de tanque a espalhar o terror, passando para um Exo e até andando pelos ares a mandar enormes máquinas de guerra abaixo. Isto para não referir batalhas espaciais. E se os jogadores se queixavam da dificuldade estúpida do jogo anterior, sobretudo em Elite, em Killzone 3, a dificuldade é bem mais justa mas isso também é fruto de termos algumas armas chuladas para nos ajudarem em certos níveis. De facto, estas melhorias contribuíram significativamente para tornar este jogo bem melhor do que o anterior. O modo multiplayer divide-se em duas vertentes: co-op, que nos permite jogar toda a história com um amigo em splitscreen (infelizmente este modo não dá para jogar online) e o tradicional online com vários modos que se dividem em Guerilla Warfare, Warzone e Operations.

Granada, granada, tens a cavilha encravada!
Esmiuçando, o primeiro é um Team Deathmatch, portanto nada de novo. O segundo, a meu ver é o melhor, pois os modos vão variando desde proteger ou destruir objectivos, assassinar alguém da equipa adversária e até andar a correr de megafone até ao objectivo, tornando o jogo bastante competitivo. O terceiro assenta em concluir certos objectivos, numa espécie de missões. O bom deste modo, é que podemos escolher qualquer uma das classes logo de inicio, evoluindo as mesmas com os pontos de experiência e desempenho que vamos adquirindo ao longo das partidas. Em Killzone 2 isto não era assim e tornava o jogo enfadonho. O sistema de pontuação é agora muito idêntico ao dos CoD, sendo que ganhamos pontos por várias acção, desde matar um inimigo a arranjar uma caixa de munição para a equipa poder fazer restock. E tal como em Call of Duty - Black Ops, podemos jogar somente contra bots para treinarmos e irmos conhecendo os cenários. Estes cenários vão desde os novos introduzidos neste jogo, a outros já conhecidos de Killzone 2 e até do primeiro, sob a forma de DLC.

Uma estância turística em Helghan.
Com isto tudo creio que não há necessidade de escrever mais. Nem me apetecia estar a entrar em pormenores pois Killzone 3 é para ser jogado. Se não jogaram os anteriores, sugiro que o façam por motivos de argumento. Se já os jogaram, este é a cereja no topo do bolo e como tal é um JOGALHÃO DE FORÇA!

Amanhã regresso com um RPG de pancada na PSP. Ou será pancada RPG? :)

MURRALHÕES DE FORÇA:
 

5 comentários:

  1. É bom saber que a série evoluiu bem ao longo dos tempos, corrigindo os vários bugs e outras chatices que o jogo original teve. Gostaria de o jogar um dia...

    ResponderEliminar
  2. Fala ai Pedro, blz?! É o Júlio que te add lá no Facebbok, ótima análise, vim ver se achava algo justamente sobre a dificuldade, porque no K2 o modo Elite era mega difícil, maldito Radec...rs
    Parabéns de novo pelo site, não canso de dar uma xeretada aqui, abraços man!!

    ResponderEliminar
  3. Tudo em altas, Júlio? Já vi que andas a tratar do KZ3, a mim faltam-me só três troféus (fáceis) para ter platina mas ainda não me dei ao trabalho. O modo Elite deste é bem mais fácil que o de KZ2 portanto dá-lhe uma oportunidade. :)

    ResponderEliminar
  4. Grande Pedro! Essa edição é linda d+! Até eu que não curto muito jogo FPS gostaria de ter na estante. Consegui uma versão dublada em br para um amigo. É muito legal. Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem tinha ideias de comprar isto mas quando vi o preço não pensei duas vezes. :)

      Eliminar