14 de março de 2011

Killer Instinct

Fulgore não brinca em serviço.
Desenvolvido por: Rareware
Publicado por: Nintendo
Designer(s): Chris Tilston, Kevin Bayliss, Mark Betteridge
Compositor(es): Robin Beanland, Graeme Norgate
Plataforma(s): Game Boy, Super Nintendo, Arcade
Lançamento: Novembro de 1995
Genéro: 2D Fighting
Modos de jogo: Modo torneio para um jogador, Modo Vs. para dois jogadores
Media: Cartucho de 4-megabit
Funcionalidades: Compatível com o adaptador Super Game Boy, Compatível com cabo Game Link.
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o demasiadas vezes. Com todas as personagens.

(Escrever com dores de cabeça custa, mas quando o texto sai naturalmente nem se dá por isso...)

O tradicional autocolante rafeiro.
Os jogos de porrada sempre me acompanharam durante a minha demanda por este passatempo que são os videojogos. Quem diz a mim diz a tantos outros e mesmo aqueles a quem hoje em dia chamam de "casuais", muito provavelmente já tiveram contacto com um ou outro mais conhecido. Se forem da geração que nasceu na década de 80, Street Fighter, Mortal Kombat e King of Fighters não vos são coisas estranhas, posteriormente a esse período talvez se identifiquem mais com Tekken ou Guilty Gear, já para não referir BlazBlue. Mas existem N jogos deste género e o que aqui apresento hoje é bastante conhecido, embora para muitos seja completamente estranho, até porque era exclusivo Nintendo. Chegou à minha colecção no Natal de 1995 mas ia tendo um final triste pois eu portei-me muito mal nessa altura e as prendas quase que iam tendo outro destino que não as minhas mãos. Memórias, memórias... :)


Manuais, cartucho e afins.
Para desanuviar um bocadinho da rivalidade que existia entre Street Fighter e Mortal Kombat, a Rareware teve a feliz ideia de criar um jogo que combina-se a excelente jogabilidade de um com a violência gratuita do outro. Assim nasceu Killer Instinct. Inovou em alguns aspectos mas de resto não passa de mais um jogo de pancadaria. Podia fazer um resumo aprofundado da história mas é mais simples dizer que se trata de um torneio onde vários lutadores de várias espécies, desde humanos, licantropos, esqueletos, dinossauros, mutantes e até robots, se confrontam para ver quem é que realmente é o mais forte. Tudo isto patrocinado por uma sinistra empresa e com um último boss que deve ser parente de Belzebu.

Folheto promocional Game Boy.
Findas as formalidades, devo dizer que tal como a versão de SNES, esta é também um port ou se preferirem, uma adaptação do jogo original de arcada. Como é de calcular o jogo de arcada foi desenvolvido numa plataforma mais poderosa, com tecnologia de ponta na altura, coisa que nem a SNES aguentava portanto os cortes foram mais do que muitos. Esta versão de Game Boy não fica atrás e é logo no grafismo que começa o retalhe. Obviamente é justificado pelas limitações técnicas, daí que se perdeu muito detalhe nos cenários ainda que sejam perfeitamente reconhecíveis e também nas personagens. Mas para um jogo de Game Boy está excelente pois mantiveram a fluidez de jogo praticamente intacta, ainda que não seja freneticamente rápido com nas versões SNES e arcada. Não muito bonitos mas altamente funcionais e isso é o suficiente para mim.

O jogo a correr no Super Game Boy.
Já ouvi excelentes bandas sonoras no Game Boy, assim estilo qualquer coisa feita pela Konami (não, eles não me pagam para escrever isto, apenas digo a verdade) mas a música de Killer Instinct não é das que me ficam no ouvido. Está bem conseguida, sem dúvida mas não tem o mesmo nível que um Castlevania, sonoramente. Os efeitos sonoros podem tornar-se dolorosos ao final de algum tempo mas creio que são competentes e existem piores, como os de Mortal Kombat II e 3, assim só para ser mauzinho.

O chamado pontapé para a frente...
Por esta altura já devem pensar que o jogo é uma valente m... porcaria mas estão longe da verdade. Se há um bom jogo de luta no Game Boy, sem ser Mortal Kombat II, é este. Killer Instinct é o melhor jogo do género na pequena máquina da Nintendo. E tudo se deve a uma coisa: jogabilidade. Como é que conseguiram meter um jogo que faz uso de seis botões (sem contar com Select e Start) numa máquina só com dois? Pois, não sei mas o facto é que o fizeram e resultou! Ok, muitos dos golpes sofreram cortes, algumas alterações mas o divertimento está lá pois não tem quebras, é fluido e não existem falhas. O sistema de combos que popularizou este género também se mantém cá e funciona tão bem como na SNES. Com apenas dois botões conseguimos dar murros e pontapés, e dependendo se carregamos ao de leve ou na totalidade, assim é a força dos mesmos. Curiosamente ainda mantiveram um Finishing Move por personagem, bem como a Humiliation. É possível também terminar os combates com aqueles Ultra Combos devastadores, sendo que o de Eyedol (o último boss, jogável via código) vai até 128 hits se a memória não me falha. E por falar em boss, as personagens estão cá todas com excepção de Cinder e Riptor o que é pena por adoro o Cinder. Mas o Riptor suga largo. Fora isto ainda tira partido do Super Game Boy, podendo ser jogado em multiplayer tanto com um comando extra ou se preferirem, no Game Boy com Game Link.

Isto é como "Ryu Vs. Ken".
Se pensavam que o jogo era rafeiro, por esta altura já têm uma boa ideia, pelo menos mais concisa, acerca do mesmo. É o melhor deste género, volto a repetir, na portátil mais famosa de sempre. E como tal, nem se questiona o facto de ser um JOGALHÃO DE FORÇA!

Se gostam de peças a cair e fazer linhas com elas, apareçam por aqui amanhã... :)




MURRALHÕES DE FORÇA: 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário