10 de junho de 2019

Crisis Zone

A artwork é meh.
Desenvolvido por: Namco
Publicado por: Namco
Produtor: Takashi Sano
Plataforma(s): PlayStation 2, Arcade
Lançamento: 17-09-2004 (EU), 19-10-2004 (EUA) (PlayStation 2)
Género: On Rails Shooter
Modos de jogo: Modo história para um ou dois jogadores
Media: DVD-ROM (4.7GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (80KB mínimo), Compatível com controlo analógico: apenas joysticks, Compatível com G-Con45, Compatível com G-con2
Outros nomes: Time Crisis - Crisis Zone (EUA)
Estado: Completo
Condição: Muito boa, muito poucas marcas de utilização
Viciómetro: Acabei-o bastantes vezes por esta altura.

Limpinho e sem autocolantes!
Nestes últimos anos o meu gosto por Rail Shooters teve um súbito crescimento, o que me levou a procurar praticamente todos aqueles mais famosos (e bons) que saíram em consolas. Nesta minha demanda, onde apenas me resta encontrar dois jogos (um na PS2 e outro na Wii) deparei-me com boas surpresas. Um dos jogos é o mesmo que trago até aqui hoje, que embora conhecesse de nome e por ter visto alguns vídeos, nunca o tinha experimentado nem nas arcadas nem na PS2. Este exemplar foi adquirido durante o mês de Maio de 2019 por €3.50, na CeX do Almada Fórum estando em muito bom estado considerando que se trata de um jogo usado.



Panfleto, manual e DVD.
Crisis Zone (ou Time Crisis - Crisis Zone como é conhecido nos EUA) não é nada mais do que um spin-off da saga Time Crisis onde assumimos o papel de Claude McGarren, o líder de uma unidade anti-terrorismo chamada Special Tactics Force (S.T.F.), cujo objectivo é defrontar a United Resistance Defense Army (URDA), um grupo terrorista que tomou de assalto o novo complexo da Garland Corporation, Garland Square situado algures nos arredores de Londres. Não havendo reféns nem pedidos por parte dos terroristas, cabe-nos a nós resolver a situação e perceber o que realmente está por detrás de tudo isto.

Espeta a faca, madafaca!
Tal como aconteceu com Time Crisis II, Crisis Zone é uma espécie de remake para a PS2 onde se melhoraram as coisas do ponto de vista técnico a começar pelo grafismo. Nesta versão temos visuais mais detalhados, com os modelos e locais a usufruírem de mais polígonos e texturas, tudo isto com uma performance bastante sólida onde os 60 frames são praticamente constantes sem quebras que sejam aparentes. Em termos de variedade, o jogo pode parecer um pouco cinzento ao longo da sua duração devido ao local ser o mesmo durante toda a acção, com diferentes zonas inseridas no mesmo mas que ainda assim tem bastante para ver e sobretudo para destruir. As animações são bastantes decentes considerando o género, mesmo durante as cutscenes que podemos ir vendo ao longo da história.

Yep, é um tanque!
Em termos sonoros, Crisis Zone é um jogo bastante barulhento e isto deve-se sobretudo à acção constante onde o som das armas, em especial da metralhadora que carregamos se vai ouvir durante a maioria do tempo. Mesmo assim existe uma banda sonora adequada a todo o jogo que se pode ouvir mas que certamente não nos deixa memórias como em outros jogos da série. Os efeitos sonoros no geral são bons e o voice-acting segundo consta, foi refeito para esta versão PS2 mas como nunca ouvi a versão de arcada não tenho termo de comparação. Contudo, o trabalho aqui feito não é estelar mas funciona para aquilo a que se propõe.

It's getting hot in here...
Na parte da jogabilidade, Crisis Zone é praticamente a mesma coisa que qualquer um dos Time Crisis com uma diferença: temos um escudo que é basicamente o nosso sistema de cover. Enquanto estamos com o escudo erguido nada nos pode atingir e serve para fazer reload à nossa arma mas de resto tudo se processa da mesma forma, com diferentes zonas apinhadas de inimigos que temos de derrotar sob um tempo limite, que faz reset quando limpamos tudo. Temos ainda outras armas que podemos usar, tal como em Time Crisis 3 mas desta vez todas têm munição infinita embora tenhamos de fazer reload para qualquer uma. Ah, e preparem-se pois este jogo é muito mais difícil que qualquer um dos Time Crisis, pelo que sucessivas playthroughs nos vão recompensado com mais vidas e créditos para ajudar na demanda. Não tendo nenhuma das G-Con nem televisão para o efeito, tive de jogar com o comando mas a experiência foi melhor do que em Time Crisis II pois parece que é mais fácil acertar nos inimigos e a mira tem uma velocidade bem mais decente.

Claro que tinha de haver helicópteros!
Para além do Arcade Mode, existem ainda outros modos como Time Trial, Crisis Mission e ainda o Story Mode Special. O primeiro é aquilo que podiam esperar do nome onde o tempo é o nosso maior inimigo, o segundo mete-nos numa série de missões com objectivos muito específicos e desafiantes e por último, o Story Mode Special é uma versão especial do Arcade Mode com algumas variantes em termos de caminhos a percorrer bem como armas especiais. Mas o melhor que esta versão oferece é um capítulo extra não presente no jogo original, onde realmente podemos ficar a conhecer o desfecho da história e que confere um chamariz adicional ao jogo em si, coisa que por exemplo não aconteceu com Time Crisis II. Também exclusivo desta versão é um modo co-op que permite dois jogadores participarem na acção sem ser necessário splitscreen e usando qualquer uma da G-Con.

Se gostam deste género de jogos, Crisis Zone é um must have na vossa colecção pois em termos de conteúdo tem muito para vos manter entretidos e a dificuldade elevada é um bom desafio para irem melhorando a vossa pontaria e performance. E claro, é sem dúvida alguma um JOGALHÃO DE FORÇA!

MURRALHÕES DE FORÇA:
 

Sem comentários:

Publicar um comentário