23 de março de 2011

Dissidia - Final Fantasy [Limited Collector's Edition]

Caixas!
Desenvolvido por: Square Enix
Publicado por: Square Enix
Director: Takeshi Arakawa
Produtor(es): Yoshinori Kitase, Tetsuya Nomura
Artista(s): Tetsuya Nomura, Yoshitaka Amano
Argumentista(s): Corey Daisuke Watanabe, Harunori Sakemi, Motomu Toriyama
Compositor: Takeharu Ishimoto
Plataforma(s): PlayStation Portable
Lançamento: 18-12-2008 (JP), 25-08-2009 (EUA), 04-09-2009 (EU), 03-09-2009 (AUS)
Género(s): Fighting, Role Playing Game
Modos de jogo: Modo história para um jogador (Story Mode, Arcade Mode, Quick Battle), Modo Vs. para dois jogadores via Ad-Hoc, Compatível com Ad-Hoc Party na PS3.
Media: Universal Media Disc (1.5GB)
Funcionalidades: Instalação de 261MB a 864MB (mínimo e máximo) no Memory Stick para reduzir tempos de loading, Gravação de progresso no Memory Stick (384KB mínimo).
Estado: Completo
Condição: Impecável mas a caixa de cartão deve ter levado uma mocada no correio...
Viciómetro: Estou de momento a jogá-lo, com perto de 40 horas de jogo.

(Tirar fotos a esta tralha toda pode revelar-se um desafio e por vez até secante.)

Mais caixas!
Existem certos acontecimentos neste mundo dos videojogos que por vezes nos deixam de boca aberta, sem saber muito bem o que dizer ou sequer pensar. Se há uns anos atrás me dissessem que iriam existir jogos da Sega em consolas Nintendo, iria rir-me na cara da pessoa e passar-lhe um atestado de estupidez. Hoje em dia, isso acontece e é uma coisa normalíssima. O mesmo se poderá aplicar a tantas outras marcas daqui a uns aninhos. Quem sabe se não vamos jogar Mario numa PlayStation 6 ou Uncharted numa consola da Nintendo? Ou talvez jogos da Microsoft numa consola da Apple chamada iPlay? O futuro é sempre muito incerto. E no que diz respeito ao jogo de hoje, também é curioso. Nunca ninguém no seu perfeito juízo iria ver um jogo da saga Final Fantasy noutro género sem ser RPG. No entanto há uns anos, começaram os primeiros presságios de mudança, que levaram esta saga a outros géneros como jogos de luta, ou acção na terceira pessoa. Hoje em dia é um facto mais do que consumado que não se restringem somente a RPGs. O jogo em questão foi comprado na Zavvi.com, pela bela quantia de 20 euros e trata-se, portanto, da edição especial que traz umas quantas coisas. Dessas "falarei" mais à frente. :)


Capa adicional, manual e UMD.
Dissidia - Final Fantasy é um jogo de luta tridimensional que combina também alguns elementos de RPG, aliados a uma história que resulta da fusão de várias pequenas aventuras individuais. A luta entre a deusa da harmonia, Cosmos e o deus da discórdia, Chaos, está longe de ter fim visto terem criado um mundo a partir de fragmentos de outros. Sendo uma luta eterna, ambas as facções invocam guerreiros para estes se defrontarem entre si pela supremacia do equilíbrio que tende em favor de Chaos. Cosmos pede aos seus guerreiros para recuperarem os dez cristais que a ajudarão a derrotar Chaos e cabe-nos a nós tratar da tarefa.

Os extras desta edição.
Se há coisa em que a PlayStation Portable consegue surpreender é na qualidade gráfica para uma máquina portátil e Dissidia é um exemplo disso. As personagens estão extremamente bem concebidas, com imenso detalhe e animações e a fluidez da acção é constante e sem falhas. E coisa que não falta neste jogo são personagens! No total 22, cada uma com direito a dois looks distintos, fora um terceiro normalmente quando estão em EX Mode. A nível de cenários, apesar de bonitos e nostálgicos, têm um aspecto um bocado vazio mas é um jogo de luta e não um jogo para andarmos a explorar os cantinhos. Ainda que não haja nada para explorar, há para partir, dado que todos os cenários têm partes destrutíveis, dando assim mais ênfase às batalhas. E claro, não esquecendo as cutscenes à la Square que conseguem sempre surpreender-nos...

E ainda mais extras.
O som, nem precisava de o estar a descrever mas numa palavra se resume: excelente. A música, já nossa conhecida, tem temas de FFI a FFX, alguns bem nossos conhecidos, outros não tanto mas que imediatamente se tornam familiares e nos dão vontade de ir a correr explorar os jogos antigos. É sempre bom ouvir músicas menos conhecidas mas o que realmente gosto é de ouvir temas com "One Winged Angel", enquanto se recria a batalha final de FFVII. Fantástico, sem dúvida. O voice-acting é em inglês mas as vozes até estão bem enquadradas em todas as personagens, especialmente as que conhecemos bem. Por exemplo, Cloud e Squall têm uma postura mais séria e daí uma voz mais firme mas Bartz e Zidane, parecem dois pirralhos endiabrados cheios de energia e sempre prontos para uma luta. Toda a restante parte sonora é espantosa, pois aproveitaram-se todos os sons e mais alguns dos vários jogos da saga e que imediatamente reconhecemos em diversas ocasiões ao longo do jogo.

Um confronto épico!
Inicialmente, Dissidia pode parecer um jogo confuso mas aos poucos entramos na onda e começamos a dominar que nem gente grande. Obviamente o truque, se é que se pode chamar assim, é irmos evoluindo as personagens, arranjar melhores equipamentos seja a comprarmos na loja ou a criarmos com outro objectos, equipar Summons (Ifrit, Shiva, Bahamut e todos os que se lembrarem) mas também escolhermos a melhor lista de golpes e movimentos que nos podem ajudar em batalha. Estes são adquiridos à medida que vamos combatendo e subindo de nível e podem também ser evoluídos individualmente. Os combates são sempre de 1 contra 1, onde temos uma barra de energia com representação numérica, uma barra que representa o EX Mode e uns números bem grandes por cima da barra de energia. Esses números são a nossa Bravery, ou seja, o dano que os nossos HP Attacks infligem. Quanto mais Bravery, mais dano. Esta adquire-se ao usarmos um Bravery Attack contra o inimigo, que retira Bravery dele para adicionar à nossa. Se esse valor chegar a zero, dá-se um Bravery Break e recebemos um valor adicional que pertence ao cenário de batalha em que estamos. Existem contundo maneiras de evitar isto mas é coisa para descobrirem. As personagens podem mover-se livremente pelos cenários, estando limitadas por paredes (por vezes invisíveis se for cenário aberto) e podendo fazer lock-on no adversário e nas EX Cores que aparecem. Estas servem para aumentar a barra do EX Mode. Uma vez no máximo, ao executarmos o comando para a activar e utilizarmos com êxito um HP Attack no adversário, dá-se um ataque devastador que se traduz em todos os ataques especiais de todos os Final Fantasy. Exemplificando, Cloud entra em Limit Break, Zidane em Trance e por aí fora.

Outro confronto épico.
Não me querendo esticar muito pois ainda o estou a jogar, existe um modo história dividido em dez Destiny Odyssey's, uma por personagem onde procuramos os cristais. Uma vez completadas, abre-se o Shade Impulse para o confronto final com Chaos. Podemos optar por um Arcade Mode, que é auto-explanatório. Se quisermos continuar a evoluir a personagem do modo história, sem compromisso, o Quick Battle é o sítio ideal. Restam outro modos, como o Communication Mode que permite batalhas online e offline contra os nossos amigos e outros jogadores fictícios, Museum onde podemos ler, ouvir e ficar a saber mais sobre todo o universo Final Fantasy e PP Catalog que nos permite trocar estes pontos PP por diversos extras, desde mais personagens a bónus diários que ocorrem durante certos dias e fica assinalados no calendário do jogo. Neste calendário está ainda a Mognet, onde trocamos e-mails com vários Moogles que vão desde histórias da tanga a quizzes com direito a prémios. Este jogo está sempre em constante movimento portanto jogá-lo diariamente é sempre uma surpresa pois há dias bónus e o dia especial, eleito por nós, quando estabelecemos o nosso plano de jogo. Existem ainda alguns modos adicionais como o Colosseum mas ainda não o abri.

Deixei para o final os itens que acompanham esta edição, sendo eles um pequeno artbook de capa dura, um mini guia da Bradygames para ajudar a começar o jogo, um mini cd intitulado "Original Sound Selection" com seis faixas e dois litographs com artwork não usada na versão japonesa. Em suma, é a edição a ter de um jogo tão bom.

Fanservice FTW!
Penso que disse o essencial da experiência que tenho com este jogo que ainda me vai durar mais uns meses. Espero que tenha aguçado o apetite aos possuidores de uma PSP pois para vossa sorte, conseguem encontrar este jogo relativamente barato, tanto cá como online, onde ainda mais barato vos fica. Ou então esperem pela sequela, a sair dia 25 de Março (já fiz pre-order). E apesar de ainda não ter chegado ao final, já posso afirmar que é um JOGALHÃO DE FORÇA!

Amanhã, vamos andar de dragão e eliminar exércitos inteiros. Aqui como de costume. Apareçam... :D

MURRALHÕES DE FORÇA:
 

Sem comentários:

Enviar um comentário