30 de agosto de 2011

Uncharted - Drake's Fortune

A capa americana é melhor.
Desenvolvido por: Naughty Dog
Publicado por: Sony Computer Entertainment
Director: Amy Hennig
Produtor: Elodie Hummel, Yeon Kyung Kim, Ivan Glaze
Designer(s): Hirokazu Yasuhara, Christopher Christensen, Mark Cerny
Artista(s): Bob Rafei, Bruce Straley, Richard Diamant, Ricardo Ariza, Tyler Breon
Argumentista: Amy Hennig
Compositor: Greg Edmonson
Motor gráfico: Naughty Dog Game Engine Proprietary
Plataforma: PlayStation 3
Lançamento: 16-11-2007 (EUA), 06-12-2007 (JP), 07-12-2007 (EU)
Género(s): Acção, Aventura, Third Person Shooter
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Blu-Ray Dual Layer (50GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no disco rígido, Compatível com Sensor De Movimento Sixaxis, HD 720p
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o quatro vezes a 100%.

(Hoje não me apetece escrever nada aqui.)

Este não precisa de autocolantes.
É espantoso como nos últimos anos os jogos evoluíram a uma velocidade vertiginosa. Ainda me lembro da passagem da SNES para a PlayStation, onde dei as boas vindas ao 3D mas ainda assim achava que o grafismo 2D me parecia melhor por não ter tantos pixeis aos saltos no ecrã. Após o período de habituação, surgiram as surpresas dentro do 3D, com visuais soberbos. Mais tarde segue-se a PlayStation 2 e novamente sou atingindo por uma onda de surpresa. Agora em tempos de PlayStation 3, desde que tenho a minha, vários jogos têm-me deixado com um sorriso na cara por imensos motivos. O exemplar que aqui trago hoje ilustra bem este panorama e vinha com a consola quando a comprei em Dezembro de 2007.


Inlay, disco e manual.
Uncharted - Drake's Fortune é um daqueles jogos que se pode dizer que representa o poder da PS3 na perfeição, sendo apenas superado pelos seus sucessores que vieram apenas melhorar alguns pontos. Ainda assim, mesmo já com alguns anos em cima, continua a ser um jogo actual em todos os campos. Mas passando a factos, Drake's Fortune revolve em torno de Nathan "Nate" Drake, um caçador de tesouros ao bom estilo de Indiana Jones que se vê a mãos com um mistério ao recuperar o tesouro de Sir Francis Drake. Nathan que diz ser descendente deste senhor, vê-se agora na posse do diário do mesmo, onde se encontram as supostas coordenadas para o tesouro de El Dorado. Não conseguindo ignorar tal facto, Nate com a ajuda da jornalista Elena Fisher, que financia toda esta aventura e Victor "Sully" Sullivan, o seu velho parceiro, vai embarcar numa aventura que o vai levar até sítios inóspitos e descobrir mais do que aquilo que espera. Poderão reparar que o jogo vai buscar muita inspiração a filmes como Romancing the Stone em diversas ocasiões.

Granadaaaa!
Sendo um jogo que se destaca em todas as áreas é preciso começar por algum lado e portanto, invariavelmente, vamos começar pela parte visual. Neste campo é difícil encontrar alguém que não tenha ficado de boca aberta com a qualidade gráfico do jogo. Somente os haters e fanboys de outros sistemas é que vão dizer com desdém que "não são nada de especial" quando sabem que é mentira. Os cenários são surpreendentemente fabulosos, com um foto realismo fora do comum, que vai desde a vegetação à própria arquitectura que vemos ao longo do jogo e que se traduz em templos, ruínas, paisagens lindíssimas nas quais vamos perder tempo a apreciar pequenos pormenores com por exemplo a água ou até mesmo a ferrugem no casco de um submarino que encalhou numa pequena baía. Isto já para não referir ficarmos a olhar para a imensidão dos edifícios e o detalhe que estes apresentam. É bom, aliás muito, muito bom. As cutscenes são todas elas feitas com o motor do jogo, misturando-se com acção de uma forma muito suave, sem quebrar o ritmo. E claro, as personagens não se ficam nada atrás, pois parecem quase pessoas que estão ali a representar, fruto das animações impressionantes, sobretudo a nível facial onde as expressões são verosímeis e realistas, bem como em termos de movimento ainda que Nate possa parecer um pouco acima do humano comum devido à sua agilidade. Ainda assim é tudo tão brutalmente impressionante que é difícil ficar indiferente.

Nate é um verdadeiro macaco!
Sonoramente, Drake's Fortune é uma pérola. A banda sonora é composta por diversos temas que se integram perfeitamente na acção e ambiente do jogo, conseguindo trazer ao de cima aquele clima de mistério característico deste tipo de aventuras e que nos lembra dos filmes de Indiana Jones, bem como outros do género bem conhecidos como clássicos dos 80's. A música tanto aparece em cenas de acção, como em outras onde está tudo muito calmo, desaparecendo gradualmente quando assim é exigido. Os efeitos sonoros são excelentes, desde a barulheira dos confrontos armados, ao som ambiente que é perfeito. O voice-acting está no topo do bolo, com diálogos brilhantes entre as personagens principais, bem como quando os mauzões do jogo fazem as suas aparições. Mesmo ao longo do jogo, Nate é uma personagem que não se cala e em qualquer ele tem sempre uma observação pertinente a fazer.

Explorar é a ordem do dia.
No meio de tanta coisa boa, a jogabilidade não podia fazer uma desfeita. E realmente não faz pois Nate mexe-se com uma fluidez impressionante, no que diz respeito a andar, correr, saltar e agarrar-se a tudo e mais alguma coisa, pois durante grande parte do tempo, ele assume o papel de Homem-Aranha, para chegar a sítios onde nunca ninguém chegou, a não ser por meios normais. No combate também se porta à altura, com uma boa selecção de armas, podendo também recorrer a combate corpo-a-corpo se a situação assim o exigir. Este sistema vai buscar muito das suas bases a Gears of War, com o excelente sistema de cover a dar frutos. Nate pode esconder-se atrás de quase tudo, ainda que quase tudo possa ser destruído. Uma vez em cover pode disparar com precisão ou simplesmente disparar numa de blind fire só para intimidar. Contudo os inimigos são tudo menos parvos e fazem o mesmo, ocasionalmente agindo organizadamente e flanqueando-nos para nossa surpresa. É óbvio que o jogo não é só acção e surge a parte Tomb Raider, onde temos de resolver puzzles e explorar, sendo que alguns puzzles exigem pensarmos um bocado, sem no entanto nos aborrecermos muito. Aliás o jogo, apesar de ser bastante intuitivo, tem um sistema de dicas para os menos perspicazes. A dificuldade é razoável, sem grandes entraves mas na última é certamente um verdadeiro desafio, especialmente em certas partes de combate.

Este tipo tem mesmo pinta daquilo que é.
Invariavelmente este jogo foi comparado a Tomb Raider mas a verdade é que muito consideram-no como uma mistura de Tomb Raider, pelos puzzles com Duke Nukem, pela acção tornando-o num Duke Raider. Eu sinceramente não vejo nada de Duke neste jogo mas enfim. Uma das coisas que realmente me surpreendeu foram as personagens e a sua construção, nomeadamente em termos de personalidade, pois são tudo menos ocas. Existe aqui profundidade, sobretudo em Nate, que é uma personagem cheia de mistério e com muito para dar, algo que se vê ao longo deste jogo e posteriormente nas sequelas. E a inclusão dos seus dois grandes amigos torna a história ainda mais interessante, devido às situações provocadas entre todos. Na minha opinião não se limitaram a criar um jogo mas sim "vidas virtuais" com imenso background, algo que desperta o interesse de qualquer pessoa. Um facto curioso é que Nate foi inspirado tanto em Johnny Knoxville como em Harrison Ford, tendo um pouco de ambos, algo que vamos descobrindo aos poucos, à medida que a história avança, não só neste jogo mais nos seguintes.

E com isto termino esta exposição pois prefiro que, se puderem, joguem esta pequena pérola da história dos videojogos. É um jogo simples no seu todo, ainda assim, impressionante, em todos os aspectos e que qualquer pessoa pode e deve jogar. Sem mais assunto, este é sem dúvida alguma um JOGALHÃO DE FORÇA!

Voltamos aos FPS na PS2, amanhã. :)

MURRALHÕES DE FORÇA: 
 

1 comentário:

  1. Pareceu-me realmente uma boa série esta da Naughty Dog. Fizeram bem em trocar Crash Bandicoots e Jak & Daxters por uma coisa mais madura. Não tenho planos de vir a ter uma PS3 num futuro próximo, mas se viesse a ter concerteza que este jogo faria parte da minha wishlist.

    ResponderEliminar