31 de maio de 2011

Killzone [Limited Edition]

Mais uma edição limitada.
Desenvolvido por: Guerrilla Games
Publicado por: SCEE
Compositor: Joris de Man
Motor gráfico: Proprietário (Versão modificada de Shellshock: Nam '67)
Plataforma: PlayStation 2
Lançamento: 02-11-2004 (EUA), 26-11-2004 (EU)
Género: First Person Shooter
Modos de jogo: Modo história para um jogador, Multiplayer local para dois jogadores e online para até 16 jogadores
Media: DVD-ROM (4.7GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (64KB mínimo), Compatível com controlo analógico: todos os botões, Compatível com Função de Vibração, Compatível com Headset USB
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o duas vezes, poucas horinhas no online.

(Mais dois jogos novos na colecção... :X)

Em bom Português.
Sempre gostei de FPS, desde o tempo do Wolfenstein, onde o jogo não passava do mesmo e arrastava-se por N níveis. Depois passei ao DooM onde as coisas eram bem mais variadas mas em última análise, mais do mesmo ao fim de alguns níveis. Mas como as coisas evoluem, felizmente, este género tornou-se mais diversificado e sobretudo mais apelativo não se cingindo apenas a atirar a matar mas também a alguma exploração e cumprimento de objectivos. Ainda que o PC seja a máquina suprema para este tipo de jogos, as consolas começaram a ganhar terreno ainda no tempo da PlayStation, provando que era possível jogar bons FPS com um simples comando. A verdade é que resultou e muito bem, dando origem a diversos novos jogos deste género, alguns deles exclusivos de certas consolas como é o caso do jogo de hoje. Este meu exemplar foi adquirido na Fnac do Almada Fórum, há uns anos atrás por 20 euros. É a edição de coleccionador que para além de vir numa caixa de cartão, faz-se acompanhar de um DVD com o Making Of.

30 de maio de 2011

Kensei - Sacred Fist

Tão mauzões que eles são...
Desenvolvido por: Konami Computer Entertainment Tokyo
Publicado por: Konami
Compositor(es): Akira Yamaoka, Kyoran Suzuki, Norikazu Miura
Plataforma: PlayStation
Lançamento: 19-11-1998 (JP), 30-11-1998 (EUA), 19-03-2001 (EU)
Género: 3D Fighting
Modos de jogo: Modo Arcade para um jogador, Modo Vs. para dois jogadores, Outros modos para um ou dois jogadores
Media: CD-ROM (650MB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (1 Bloco), Compatível com controlo analógico.
Outros nomes: Bugi - 武戯 (JP)
Estado: Incompleto, falta o manual em inglês
Condição: Impecável
Viciómetro: Nunca o acabei e pouco joguei.

(Bem, parece que é Inverno novamente...)

Que dizer destes belos autocolantes?
A dada altura do tempo de vida da Saturn e da PlayStation, começaram a aparecer imensos clones de alguns jogos bem conhecidos como Virtua Fighter e Tekken. Alguns deles tinham bastante qualidade e até conseguiam ultrapassar estes clássicos mas outros situavam-se abaixo da média resultando em experiências medíocres e que mais valia nem sequer ter experimentado. Outros tantos são medianos, conseguindo manter aquilo que interessa neste tipo de jogos, dentro do limiar do aceitável. O jogo de hoje é um claro exemplo disso, clonando à bruta um jogo que dá pelo nome de Tekken 3 mas não lhe chegando aos calcanhares. Não o joguei muito pois foi uma doação e nem sequer está completo, sabendo-se lá por onde andou...

29 de maio de 2011

flOw

Azulinho!
Desenvolvido por: Thatgamecompany, SuperVillain Studios
Publicado por: Sony Computer Entertainment
Designer(s): Jenova Chen, Nicholas Clark
Artista(s): Shinichi Kameoka, Koji Tsuda
Compositor: Austin Wintory
Plataforma(s): PlayStation 3, PlayStation Portable, PC (Adobe Flash)
Lançamento: 22-02-2007 (EUA), 23-03-2007 (EU), 11-05-2007 (JP)
Género: Life Simulation
Modos de jogo: Modo "comer os outros organismos" para um jogador e até quatro jogadores
Media: Suporte Digital
Funcionalidades: Gravação de progresso no disco rígido
Estado: Não se aplica
Condição: Não se aplica
Viciómetro: Este jogo não tem propriamente um final mas já dei a volta várias vezes.

(Mais um dia com mau tempo.)

Um inimigo agressivo.
Os jogos indie são hoje em dia algo muito comum, quer seja nas consolas, quer seja no PC. Têm tanto de bom quanto de mau, sendo que a originalidade, a simplicidade e o preço são factores positivos mas a falta de longevidade, a mesma simplicidade e por vezes as ideias demasiado à frente são factores negativos. Ainda assim existem muitos e para todos os gostos, alguns muito bons e outros nem por isso. O jogo de hoje é visto mais como um não-jogo ou uma obra de arte digital, do que outra coisa pois tem piada durante cinco minutos, se tanto. Mas é relaxante se o considerarmos depois de um dia de pleno stress. Este exemplar digital fui buscá-lo à conta de um amigo visto não ter intenção de gastar dinheiro num jogo deste tipo.

28 de maio de 2011

Fallout 3 [Game of the year Edition]

Esta capa supera a original.
Desenvolvido por: Bethesda Game Studios
Publicado por: Bethesda Softworks, ZeniMax Media
Designer(s): Emil Pagliarulo, Todd Howard, Istvan Pely
Compositor: Inon Zur
Motor Gráfico: GameBryo
Plataforma(s): PlayStation 3, Xbox360. PC
Lançamento: 13-10-2009 (EUA), 16-10-2009 (EU), 22-10-2009 (JP)
Género: Role Playing Game
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Blu-Ray Dual Layer (50GB)
Funcionalidades: Instalação de 6.7GB no disco rígido, Gravação de progresso no disco rígido, Compatível com Função de Vibração, HD 720p, Inclui todos os DLC's
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei cada um dos DLC's uma vez.

(Mais um dia com tempo incerto...)

Nada de novo aqui.
Com o advento desta actual geração de consolas, o conteúdo extra popularizou-se, algo que já existia no PC há vários anos. Contudo, os PC eram e são máquinas óptimas para isso pois esses extra tanto se vendiam em suporte físico como digital por quantias irrisórias. No caso das consolas, os extras são um bocadinho caros em certos casos e nem sempre existem em suporte físico. Quando existem, por norma nem precisam do jogo original. Mas para chegar a um consenso, vários jogos são lançados com o conteúdo extra todo incluído num só disco ou por vezes com um voucher promocional, onde através de um código podemos descarregar esse conteúdo da respectiva loja online (PSN ou Marketplace). Denominadas Game of The Year Edition (GOTY) ou por vezes outros nomes como Gold Edition, Ultimate Edition e por aí adiante, estas versões costumam ser as ideais a ter na colecção. Este meu exemplar adquiri-o na Vobis Online por cerca de 15€. Foi um excelente negócio visto trazer os cinco DLC's de Fallout 3, custando cada um na PSN a módica quantia de 9.99€.

27 de maio de 2011

Killer7

Uma capa bem vermelha.
Desenvolvido por: Grasshopper Manufacture
Publicado por: Capcom
Director: Goichi Suda
Produtor: Hiroyuki Kobayashi
Designer: Goichi Suda
Artista: Akihiko Ishizaka
Argumentista(s): Goichi Suda, Shinji Mikami
Compositores: Masafumi Takada, Jun Fukuda
Plataforma(s): PlayStation 2, Nintendo GameCube
Lançamento: 09-06-2005 (JP), 07-07-2005 (EUA), 15-07-2005 (EU)
Género: On-Rail Shooter, Acção
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: DVD-ROM (4.7GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (63KB mínimo), Compatível com controlo analógico: apenas joysticks, Compatível com Função de Vibração.
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o uma vez.

(Este tempo nunca mais se decide.)

A praga dos autocolantes.
Ontem "falei" de jogos estranhos, que de certa forma fogem aos padrões convencionais aos quais estamos habituados. Hoje volto a trazer o tema ao de cima, visto este ser bastante abrangente e cada vez mais popular neste meio. O jogo de hoje alia o estranho ao louco, proporcionando uma mistura bastante curiosa de estilos, com uma história completamente alucinada saída da cabeça de dois dos mais geniais criadores japoneses nestas andanças. Obviamente refiro-me a Goichi Suda, conhecido por Suda51 e criador de títulos como No More Heroes, bem como Shinji Mikami, o pai de Resident Evil. É caso para dizer que quando duas mentes destas colidem, o resultado é algo como o jogo de hoje. Este exemplar adquiri-o no Jumbo do Almada Fórum por 9.90€, numa altura em que tinham bons jogos a este preço.

26 de maio de 2011

Kagero - Deception 2

Aquela menina não se chama Kagero.
Desenvolvido por: Tecmo
Publicado por: Tecmo (JP, EUA), Virgin Interactive (EU)
Plataforma(s): PlayStation, PlayStation Network
Lançamento: 23-07-1998 (JP), 30-09-1998 (EUA), 10-09-1999 (EU)
Género: Strategy RPG
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: CD-ROM (650MB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (1 Bloco), Compatível com Função de Vibração.
Outros nomes: Kagero - Kokumeikan Shinsho (影牢~刻命館真章~) (JP)
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o umas duas vezes.

(Chuva outra vez ou assim parece.)

Mais um par de autocolantes medonhos.
Em tantos anos de jogatanas e afins, um facto posso constatar: existem jogos muito estranhos, ao ponto de pensarmos que há pessoas com mentes realmente retorcidas, ainda que brutalmente geniais. Mas o giro no meio disto tudo é que estes jogos por norma são bons, pelo conceito, pela abordagem e por terem um jogabilidade viciante. Como é óbvio, muitos deles passam ao lado da grande maioria do público por não serem mainstream e tornarem-se assim em raridades e peças de colecção de pequenas comunidades. O jogo de hoje é um bom exemplo disto tudo. É estranho, é viciante e até um pouco raro. Este meu exemplar foi adquirido na altura em que foi lançado na Europa, algures em 1999 e não faço ideia quanto custou. Lembro-me vagamente que o comprei na Fnac da Baixa Chiado e pouco mais.

25 de maio de 2011

Super Mario All-Stars

O solitário cartucho, para grande pena minha.
Desenvolvido por: Nintendo EAD
Publicado por: Nintendo
Compositor: Soyo Oka
Plataforma(s): Super Nintendo, Nintendo Wii
Lançamento: 14-07-1993 (JP), 01-08-1993 (EUA), 16-12-1993 (EU)
Género: Plataformas
Modos de jogo: Modo história para um ou dois jogadores
Media: Cartucho de 24-megabit
Funcionalidades: Gravação de progresso no cartucho (3 Slots para cada jogo)
Estado: Incompleto, falta a caixa e o manual
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o tantas vezes...

(A espera torna-se cansativa...)

A pandilha reunida.
Há dois posts atrás, falei de um remake que me deu imenso gozo em jogar pois o original foi um dos jogos que mais gostei na época. Hoje voltamos aos remakes mas em vez de um são logo quatro! Sim, quatro remakes de quatro grandes jogos, um deles novidade no ocidente e que tantas horas de diversão proporcionaram, ainda que já os tivesse jogado anteriormente na NES mas um novo look é sempre uma boa razão para se jogar novamente. Este exemplar chegou-me às mãos por meios incertos, daí apresentar-se incompleto. Se porventura tiverem a caixa com o manual e já não ligarem a jogos, aceito doações! Se tiverem outro exemplar do jogo, também aceito. Se souberem onde arranjar estes itens, agradeço também a informação. :P

24 de maio de 2011

The Legend of Zelda - Link's Awakening

Isto é uma capa digna de Zelda!
Desenvolvido por: Nintendo EAD
Publicado por: Nintendo
Director: Takashi Tezuka
Produtor: Shigeru Miyamoto
Artista: Yoichi Kotabe
Argumentista(s): Yoshiaki Koizumi, Kensuke Tanabe
Compositor(es): Kazumi Totaka, Minako Hamano, Kozue Ishikawa
Plataforma: Nintendo Game Boy
Lançamento: 06-06-1993 (JP), Agosto de 1993 (EUA), Dezembro de 1993 (EU)
Género: Action Role Playing Game
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Cartucho de 4-megabit
Funcionalidades: 3 slots para gravação de progresso no cartucho
Outros nomes: Zeruda no Densetsu: Yume o Miru Shima (ゼルダの伝説 夢をみる島 que se traduz em "The Legend of Zelda: The Dreamed-Up Island") (JP)
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o cinco ou seis vezes.

(Mais um jogo a caminho...)

O autocolante tinha de estragar...
Game Boy, a pequena máquina da Nintendo que tantas horas de jogatana proporcionou fosse onde fosse. Aquela máquina que tantas vezes foi escondida para que estivesse com atenção nas aulas e fizesse os deveres quando chegasse a casa. E tantas vezes caiu ao chão, andou de mão em mão para que todos jogassem um pouco mas ao fim de tantas aventuras continua a funcionar como se fosse o primeiro dia em que saiu da caixa. É verdade, ainda funciona bastando para tal ter quatro pilhas AA. Digamos que os jogos que por lá passaram ascenderam às centenas, numa época em que todos tinham um Game Boy e emprestar jogos era algo comum pois não havia o problema de riscar superfícies de leitura e afins, como acontece hoje. Um dos jogos que passou e ficou foi o de hoje, que neste caso foi uma prenda de aniversário, creio que em 1994.

23 de maio de 2011

Sword of Mana

Capa simples mas eficaz.
Desenvolvido por: Brownie Brown
Publicado por: Square Enix (JP/EU), Nintendo (EUA)
Director: Takeo Oin
Produtor: Koichi Ishii
Designer(s): Koichi Ishii, Takeo Oin
Artista(s): Shinichi Kameoka, Koji Tsuda
Argumentista: Miwa Shoda
Compositores: Kenji Ito
Plataforma: Nintendo Game Boy Advance
Lançamento: 29-08-2003 (JP), 01-12-2003 (EUA), 18-03-2004 (EU)
Género: Action Role Playing Game
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Cartucho de 128-megabit
Funcionalidades: 2 slots para gravação de progresso no cartucho, Ligação com outro GBA com o jogo para troca de informação
Outros nomes: 新約 聖剣伝説 - Shin'yaku Seiken Densetsu - New Testament Holy Sword Legend (JP)
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o uma vez.

(O que mais me aborrece nas compras online é quando levam mais de cinco dias a chegar a casa.)

Mais um conjunto de autocolantes foleiros.
Remakes, demakes, upgrades, são tudo palavras que não são estranhas para que tem um contacto habitual com jogos. Para todos os outros são os palavrões mais estranhos que alguma vez possam ter ouvido ou lido. Actualmente aposta-se muito neste tipo de estratégias pois se um jogo antigo teve sucesso e criou uma legião de fãs, esses mesmos fãs hoje estão sedentos e querem mais do mesmo. Então entra o remake. Por outro lado, num nível mais amador os demakes estão na moda pois pegar num jogo actual e "fazê-lo" à antiga é sempre engraçado e existem muitos exemplos por aí fora. Os upgrades é o que mais se vê, especialmente nos jogos de pancada onde depois de uma versão inicial começam a aparecer as Super, Hyper, Mega, Plus, EX, Reload e afins. Mas o jogo de hoje enquadra-se apenas nos remakes, sendo este um remake do saudoso Mystic Quest (já aqui analisado) que saiu há uns bons anos para o Game Boy. Este meu exemplar foi adquirido por uma quantia irrisória ao já por aqui citado Ricardo Mateus, ou Dark-Vash, pois é mais conhecido assim. Excelente pessoa, coleccionador e neste caso vendedor. :)

22 de maio de 2011

The Legend of Zelda - Ocarina of Time

Needs more gold!
Desenvolvido por: Nintendo EAD
Publicado por: Nintendo
Director(es): Shigeru Miyamoto, Yoichi Yamada, Eiji Aonuma, Yoshiaki Koizumi
Produtor(es): Shigeru Miyamoto
Artista: Yusuke Nakano
Argumentista(s): Toru Osawa, Shigeru Miyamoto,Yoshiaki Koizumi
Compositor: Koji Kondo
Plataforma(s): Nintendo 64, Nintendo GameCube, iQue Player,, Virtual Console, Nintendo 3DS
Lançamento: Versão N64 - 21-11-1998 (JP), 23-11-1998 (EUA), 11-12-1998 (EU)
Género: Action Role Playing Game
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Cartucho de 256-megabit
Funcionalidades: 3 slots para gravação de progresso no cartucho
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o quatro vezes na N64.

(É domingo, capitão óbvio.)

Lá está o maldito autocolante...
Certos jogos marcam épocas, seja pelas proezas técnicas que desempenharam ou simplesmente porque foram lançados em conjunto com uma consola nova. No entanto outros não se enquadram em nenhum destes cenários mas sim no da expectativa que criaram ainda antes do lançamento e posteriormente no culto que geraram devido a serem tão especiais. O jogo de hoje é um dos melhores exemplos de que há memória pois para além de ser um ícone de excelência de uma consola, marcou uma geração de jogadores bem como virou uma página na história. Este meu exemplar chegou-me às mãos pouco depois do seu lançamento europeu, baratinho ainda que não me lembre ao certo quanto paguei pelo mesmo. Mas considerando que foi uma aquisição por fora ao meu contacto na Concentra, terá sido uma verdadeira pechincha! :) Belos tempos, belos tempos...

21 de maio de 2011

Fallout 3 [Collector's Edition]

A lancheira!
Desenvolvido por: Bethesda Game Studios
Publicado por: Bethesda Softworks, ZeniMax Media
Designer(s): Emil Pagliarulo, Todd Howard, Istvan Pely
Compositor: Inon Zur
Motor Gráfico: GameBryo
Plataforma(s): PlayStation 3, Xbox360. PC
Lançamento: 28-10-2008 (EUA), 30-10-2008 (EU), 04-12-2008 (JP)
Género: Role Playing Game
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Blu-Ray Dual Layer (50GB)
Funcionalidades: Instalação de 4.3GB no disco rígido, Gravação de progresso no disco rígido, Compatível com Função de Vibração, HD 720p, DLC adicional
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o quatro vezes, sem medos!

(Nada a declarar, escrever, dizer, etc e tal.)

A lancheira, parte traseira.
Se são leitores habituais aqui do estaminé, devem ter reparado que os alguns dos últimos jogos levaram com cinco murralhões, salvo seja. Ora bem, é pura coincidência que tal tenha acontecido pois eu não coloquei jogos que realmente gostei juntos para que tal se sucedesse. Curiosamente isto não se fica por aqui agora que confirmei a lista de futuras publicações pois mais alguns se seguem, incluindo o jogo de hoje e o de amanhã. Em relação ao de hoje, é uma edição especial pois sendo fã desta série tinha de ter a melhor edição que saísse e assim foi. Esta edição, denominada Collector's Edition para além de conter um exemplar do jogo, como é óbvio, traz ainda um BluRay com o Making Of, um pequeno artbook de capa dura, um Bobblehead do Pipboy, tudo isto dentro de uma pequena lancheira em metal, à antiga! É uma edição especial à maneira, que só peca mesmo pelo jogo vir numa caixa de plástico comum ao invés de vir, por exemplo, num steelbook. Eu gosto destas mariquices. Custou cerca de 80 euros e foi adquirida na GAME do Almada Fórum, no lançamento, tendo sido uma das poucas pré-reservas que fiz em toda a minha vida. Muitos meses depois, haviam estas edição ao pontapé na Fnac por 40 euros. Mas não me arrependo nem um pouco... :P

20 de maio de 2011

Guilty Gear X2 #Reload - The Midnight Carnival

Já vimos capas melhores.
Desenvolvido por: Arc System Works
Publicado por: Sammy Studios
Designer: Daisuke Ishiwatari
Plataforma(s): PlayStation 2, Arcade, PC, Xbox
Lançamento: 02-12-2002 (JP), 03-03-2003 (EUA), 28-03-2003 (EU)
Género: 2D Fighting
Modos de jogo: Modo história para um jogador, Modo Vs. para dois jogadores e vários outros modos
Media: DVD-ROM (4.7GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (73KB mínimo), Compatível com controlo analógico: apenas joysticks.
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o umas três vezes, se tanto.

(Será que é desta que o bom tempo veio para ficar?)

No seguimento do jogo de ontem, chega-nos mais um da série mas para a consola que se segue, sendo neste caso a PlayStation 2. Este só se encontra na colecção devido a um caso particular que já referi há uns bons posts atrás onde escrevi acerca do facto de comprarmos jogos sem termos intenção prévia de o fazer, somente por se encontrarem ao preço da uva mijona. No caso deste, o preço ficou por 6 euros tendo sido adquirido no Jumbo do Almada Fórum, juntamente com outro jogo que custou igualmente 6 euros. Bons negócios. :)

19 de maio de 2011

Guilty Gear

White label... suga!
Desenvolvido por: Arc System Works
Publicado por: Arc System Works (JP), Atlus (EUA), Virgin Interactive (EU)
Designer: Daisuke Ishiwatari
Plataforma(s): PlayStation, PlayStation Network
Lançamento: 14-05-1998 (JP), 31-10-1998 (EUA), Algures em 2000 (EU)
Género: 2D Fighting
Modos de jogo: Modo história para um jogador, Modo Vs. para dois jogadores
Media: CD-ROM (650MB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (1 Bloco), Compatível com controlo analógico.
Estado: Incompleto, falta o manual
Condição: Muito boa, a caixa tem uma pequena racha mas o CD está impecável
Viciómetro: Acabei-o uma vez, se bem me lembro.

(Este tempo não se decide a ficar em condições...)

Atrás ainda é mais feia.
Alguns dos jogos que compõem a minha colecção não foram adquiridos nem oferecidos, tendo chegado até cá por meios incertos. Alguns foram emprestados e acabaram aqui esquecidos, outros sinceramente nem sei como cá chegaram e depois existem aqueles que foram dados ou doados, conforme o caso pois os seus antigos donos já não tinham interesse em os ter nem tão pouco intenção de os deitar fora ou vendê-los. Assim recebo estes jogos de boa vontade, tal como o de hoje, um jogo que provavelmente nunca iria comprar na vida. Este foi-me dado por um amigo que o tinha algures perdido lá para casa e nem sequer era dele! Mas também como não se lembrava de quem era...

18 de maio de 2011

Grand Theft Auto - Vice City

Excelente capa!
Desenvolvido por: Rockstar North
Publicado por: Rockstar Games
Motor Gráfico: RenderWare
Plataforma(s): PlayStation 2, Xbox, PC, Mac
Lançamento: 27-10-2002 (EUA), 08-11-2002 (EU), 20-05-2004 (JP)
Género(s): Acção, Aventura, Sandbox
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: DVD-ROM (4.7GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (KB mínimo), Compatível com comando analógico: todos os botões, Compatível com Função de Vibração
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o duas vezes. Sim, este GTA é mesmo bom!

(Tempinho de caca, bom para estar em casa.)

Há uns dias atrás, trouxe até aqui um jogo bastante polémico pelo seu conteúdo mas que no fundo não deixa de ser um jogo que espelha um pouco um mundo tal como ele é. Hoje volto a repetir a dose com outro jogo igualmente polémico mas sem dúvida muito mais cómico e divertido. Este exemplar foi-me oferecido no Natal de 2002, provavelmente pela minha irmã pois não estou a ver mais ninguém a lembrar-se de me oferecer estas coisas. xD

17 de maio de 2011

Devil May Cry 4 [Collector's Edition]

Nero em destaque.
Desenvolvido por: Capcom
Publicado por: Capcom
Director: Hideaki Itsuno
Produtor: Hiroyuki Kobayashi
Argumentista: Bingo Morihashi
Plataforma(s): PlayStation 3, Xbox360, PC
Lançamento: 31-01-2008 (JP), 05-02-2008 (EUA), 08-02-2008 (EU)
Género: Acção, Aventura, Hack 'N Slash
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: BluRay
Funcionalidades: Instalação no disco rígido (4.8GB mínimo), Gravação de progresso no disco rígido da consola, Leaderboards online, Compatível com Sixaxis, Suporte HD 720p
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o quatro vezes.

(Parece que temos a chuva de volta...)

O steelbook é catita.
Todos nós somos mais ou menos vítimas das sagas de videojogos, pelo simples facto de começarmos a jogar um determinado jogo e quando damos por nós já jogámos as sequelas, prequelas, side stories, spin-offs e tudo isto em sistemas diferentes. O melhor mesmo será nem pensar muito nisso para não começarmos a fazer conta ao dinheiro que foi gasto para que tivéssemos o proveito todo de cada jogo. Claro que isto é um ciclo sem fim, cada vez mais actual e que pelos vistos resulta senão nem tinha metade dos jogos que aqui coloco. O de hoje faz parte de uma saga, que continuará muito em breve e como tal lá irei comprar o novo título que sair. Mas relativamente a este, é a Collector's Edition que se apresenta num steelbook e faz-se acompanhar por um mini artbook. Custou os habituais 69.99€, na Fnac do Almada Fórum tendo sido adquirido dois dias depois do seu lançamento europeu.

16 de maio de 2011

Super Mario Land

Havendo falta de caixa...
Desenvolvido por: Nintendo R&D1
Publicado por: Nintendo
Director: Satoru Okada
Produtor: Gunpei Yokoi
Compositor: Hirokazu Tanaka
Plataforma(s): Nintendo Game Boy, Virtual Console (futuramente)
Lançamento: 21-04-1989 (EUA), 31-07-1989 (JP), 28-09-1990 (EU)
Género: Plataformas
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Cartucho de 1-megabit
Funcionalidades: Não tem
Estado: Incompleto, falta a caixa nem manual em inglês
Condição: Mediana, o manual em português apresenta marcas de uso e o cartucho está amarelado
Viciómetro: Acabei-o tantas vezes que é impossível contabilizar.

(A PlayStation Network está de volta. Vamos lá ver se se aguenta.)

O cartucho e o manual andaram na guerra.
Eu posso afirmar que sou do tempo em que quem tinha uma consola da Nintendo era o herói do sítio, quer se tratasse da escola, da rua ou doutro espaço público qualquer. Isto tudo porque eram novidade e abriam portas para um mundo novo e completamente desconhecido até à data só preenchido pelos PC's e até mesmo pelos Spectrum's, pois nem todos tinham um PC em casa. E é nesta época que me começaram a chegar às mãos as consolas da Nintendo mas um pouco antes disso já as tinha experimentado em casa de amigos e colegas, e até em lojas. Logo, o jogo de hoje não me era desconhecido na altura que me chegou à colecção pois foi uns bons anos depois, em condições menos boas e incompleto para grande pena minha. Mas funciona bem e tenho o manual de instruções em português, logo menos mal...

15 de maio de 2011

Hard Corps - Uprising

Artwork muito boa!
Desenvolvido por: Arc System Works
Publicado por: Konami
Artista: Daisuke Ishiwatari
Compositor: Daisuke Ishiwatari
Plataforma(s): PlayStation 3 (PSN), Xbox360 (XBLA)
Lançamento: 15-03-2011 (EUA, JP), 23-03-2011 (EU)
Género: Run 'N Gun
Modos de jogo: Modo Arcade e Rising para um ou dois jogadores em Co-Op local e online.
Media: Suporte Digital
Funcionalidades: Gravação de progresso no disco rígido da consola
Estado: Não se aplica
Condição: Não se aplica
Viciómetro: Acabei-o muitas vezes em tão pouco tempo.

(É Domingo e pouco mais.)

A destruição começa!
Hoje em dia existe muito o hábito de viver à sombra da bananeira devido aos sucessos do passado e as software houses são um dos casos mais flagrantes desse fenómeno. Embora continuem a apostar na produção de novos jogos, com conceitos modernos, muitas ainda se viram para os jogos antigos e tentam dar-lhes um look actual. Não considero isso um gesto errado ou mesmo mau, até gosto de remakes e actualizações, dentro dos limites. E é nestes limites que o jogo de hoje assenta, dando a conhecer aos jogadores mais novos, uma das melhores séries de sempre dentro do estilo Run ´N Gun. E se esses mesmos jogadores não conseguem jogar os antigos títulos, certamente vão conseguir jogar este quanto muito não seja pelo visual renovado, visto a jogabilidade ser a mesma dos antigos. Este meu exemplar digital foi adquirido na PSN (quando ainda funcionava, deve voltar em breve) por cerca de 13 euros e não estou nada arrependido pois é daqueles jogos que mesmo daqui a 10 ou 15 anos vou continuar a jogar com o mesmo prazer de hoje.

14 de maio de 2011

Ninja Gaiden Dragon Sword

Ninja style!
Desenvolvido por: Team Ninja
Publicado por: Tecmo, Ubisoft (EU)
Designer: Tomonobu Itagaki
Plataforma: Nintendo DS
Lançamento: 20-03-2008 (JP), 25-03-2008 (EUA), 27-06-2008 (EU)
Género: Acção, Aventura, Hack 'N Slash
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Cartão de jogo com 1024Mbit
Funcionalidades: Gravação de progresso no cartão de jogo.
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o algumas cinco vezes.

(Fim de semana, nada  declarar.)

Imagens com fartura.
Hoje em dia é muito com uma saga espalhar-se por diversas plataformas, dando por norma origem a spin-offs da principal, muitas vezes sem ligação com esta. Porém, nem todas seguem essa fórmula e já se aposta muito em sequelas e prequelas noutras plataformas, obrigando os fãs a investir noutra consola caso queiram mesmo saber mais acerca da história e acima de tudo jogar uma nova aventura. A meu ver tem tanto de mau como de bom, pois por um lado é mau "obrigarem" o jogador a adquirir outra plataforma mas por outro esta aquisição abre novas portas e para quem já tem a consola fica a conhecer um novo jogo, que provavelmente vai fazer querer jogar os outros. É um ciclo interminável. Mas introduções à parte, este meu exemplar foi adquirido online por cerca de 12 euros, em 2009, se a memória não me falha.

13 de maio de 2011

Street Fighter II Turbo

Ecrã mega hiper épico!
Desenvolvido por: Capcom
Publicado por: Capcom
Produtor: Yoshiki Okamoto
Designer(s): Akira Nishitani (Nin Nin), Akira Yasuda (Akiman)
Compositor(es): Yoko Shimomura, Isao Abe, Yoshihiro Sakaguchi
Plataforma(s): Virtual Console, Super Nintendo
Lançamento: Agosto de 1993 (Original), 25-06-2007 (EUA), 20-07-2007 (EU), 10-07-2007 (JP)
Género(s): 2D Fighting
Modos de jogo: Modo torneio para um jogador, Modo Vs. para dois jogadores
Media: Suporte Digital
Funcionalidades: Gravação de progresso na memória interna da Wii.
Estado: Não se aplica (mas tenho o manual original)
Condição: Não se aplica
Viciómetro: Nem sei quantas vezes o acabei, não consigo contabilizar.

(Devido a problemas no Blogger, hoje publiquei mais tarde. :P)

E este idem aspas.
Que os jogos de porrada não são novidade por estas bandas já se sabe, pois além dos que já foram publicados, muitos mais estão para vir. Porém há alguns que se destacam dos demais por serem especiais em todos os aspectos e terem chegado a um patamar de excelência que muitos poucos conseguem. Podem pensar que este tipo de jogos é sempre a mesma coisa mas são as pequenas diferenças que os distinguem e separam o trigo do joio mas para tal é preciso ter calo. O jogo de hoje é um daqueles que merece um pedestal para si só pois está num nível que poucos alcançarão. Este exemplar, para grande tristeza minha, apresenta-se em formato digital apesar de o ter tido em suporte físico mas não sei porque me livrei dele. Uma parvoíce minha qualquer. Este foi adquirido na Wii Shop Channel, algures em 2008, mais coisa, menos coisa.

12 de maio de 2011

Gran Turismo 2

Caixa e caixa grande.
Desenvolvido por: Polyphony Digital
Publicado por: Sony Computer Entertainment
Designer: Kazunori Yamauchi
Plataforma: PlayStation
Lançamento: 11-12-1999 (JP), 23-12-1999 (EUA), 28-01-2000 (EU)
Género: Condução, Corridas
Modos de jogo: Modo arcade para um ou dois jogadores, Modo simulação para um jogador
Media: 2x CD-ROM (650MB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (5-15 Blocos), Compatível com Controlo Analógico, Compatível com Controlos adicionais
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Quase tudo feito e desbloqueado o que se traduz em imensas horas de jogo.

(Mais um joguito a caminho, mal de mim.)

Depois do sucesso que o primeiro jogo atingiu, a Polyphony Digital e o próprio Kazunori Yamauchi tinham em mãos uma tarefa penosa e de grande responsabilidade: criar um GT ainda maior e melhor que o antecessor. Não que fosse difícil mas era sem dúvida um grande desafio, que iria consumir muitas e muitas horas de trabalho. No final de 1999, GT2 viu a luz do dia, tendo chegado à minha colecção só em 2000, mais ou menos na altura em que foi lançado na Europa. Esta minha edição fez-se acompanhar por um Memory Card preto e uma caixa de cartão para albergar o material todo. Ficou-me por cerca de 9.990$ e foi adquirida na tal loja em Almada que já não existe. Infelizmente...

11 de maio de 2011

Grand Theft Auto - San Andreas

Autocolante foleiro à frente...
Desenvolvido por: Rockstar North
Publicado por: Rockstar Games
Motor Gráfico: RenderWare
Plataforma(s): PlayStation 2, Xbox, PC, Mac
Lançamento: 26-10-2004 (EUA), 29-10-2004 (EU), 25-01-2007 (JP)
Género(s): Acção, Aventura, Sandbox
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: DVD-ROM (4.7GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (KB mínimo), Compatível com comando analógico: todos os botões, Compatível com Função de Vibração
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o uma vez mas foram muitas horas de jogo a fazer tudo o resto.

(Hoje foi dia de piscina!)

Em Português, quem diria.
Jogos controversos sempre existiram e não são novidade para ninguém. Desde muito cedo que se tentaram tornar os jogos mais sérios e mais adultos, recorrendo a temas considerados tabu por muitos ou simplesmente que não eram vistos com bons olhos. Isto já vem desde o tempo do Spectrum, passando depois para as consolas, onde diversos títulos foram severamente modificados, sobretudo nas consolas Nintendo por tocarem em temas considerados proibidos e que denegriam a imagem da empresa por correrem nas suas consolas. Mas os tempos evoluíram e este tipo de jogos pôde finalmente ver a luz do dia em todo o seu esplendor, provocando todo o tipo de reacções nas pessoas, boas e más, diga-se mas também sendo alvo de ataques conservadores por incitarem a todo o tipo de violência. Pessoalmente acho isto uma idiotice pegada pois joguei todo o género de jogos violentos e não me tornei num serial killer nem nada do estilo, logo são argumentos sem fundamento. Uma pessoa bem formada sabe separar as águas. Mas para não me alargar muito no tema, visto dar para escrever muito, o jogo de hoje faz parte do catálogo controverso e foi-me oferecido por um familiar próximo, provavelmente mãe ou irmã, não me recordo ao certo.

10 de maio de 2011

Street Fighter Alpha 3 Max

Ryu e o seu dark side.
Desenvolvido por: Capcom
Publicado por: Capcom
Compositor(es): Takayuki Iwai, Yuki Iwai, Isao Abe, Hideki Okugawa, Tetsuya Shibata
Plataforma: PlayStation Portable
Lançamento: 19-01-2006 (JP), 07-02-2006 (EUA), 10-03-2006 (EU)
Género: 2D Fighting
Modos de jogo: Modo história para um jogador, diversos modos para um ou dois jogadores
Media: Universal Media Disc (1.5GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Stick (256KB mínimo), Compatível com Wireless (2~8 jogadores)
Outros nomes: Street Fighter Zero 3 Double Upper (JP)
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Algumas horas de jogo para desbloquear os modos e personagens secretas.

(Calorzinho bom...)

Para a rua e qualquer lado!
Hoje vou optar por uma abordagem mais soft visto este jogo ser uma actualização de outro que já tinha para a velhinha PlayStation. Trata-se então de mais um jogo de pancada a adicionar à larga escolha presente na colecção. Este tem a particularidade de ser portátil, o que o torna perfeito para levar para todo o lado para umas lutas on-the-go e além do mais contém todos os extras e mais alguns de outras versões para consolas caseiras. Este exemplar ficou-me por 14.99€, tendo sido adquirido a 13-03-2009 na Fnac do Almada Fórum. Talões, têm estas informações todas... :)

8 de maio de 2011

Crash Commando

Se tivesse capa era isto.
Desenvolvido por: EPOS Game Studios
Publicado por: Sony Computer Entertainment
Plataforma: PlayStation 3 (PSN)
Lançamento: 18-12-2008 (Mundialmente)
Género(s): Acção, Plataformas, Shooter
Modos de jogo: Vários modos multijogador, alguns podem ser jogados offline contra bots.
Media: Suporte Digital
Funcionalidades: Gravação de progresso no disco rígido da consola, DLC de conteúdo adicional.
Estado: Não se aplica.
Condição: Não se aplica.
Viciómetro: Não é um jogo que se acabe pois não tem fim.

(É Domingo.)

Explosões, algo normal neste jogo.
Actualmente vivemos numa época onde muitos jogos nem sequer têm suporte físico sendo que temos de os adquirir online, alguns por uma quantia simbólica, outros nem tanto, instalando-os no disco das nossas consolas logo de seguida. Não é que eu seja muito fã deste conceito pois gosto de ler o manual de instruções, apreciar a artwork da caixa e afins mas o certo é que para este estilo de jogos mais indie e descontraído, um suporte físico não iria ter benefícios de espécie alguma. O jogo de hoje é um desses casos e está na minha colecção porque o fui buscar à conta da PSN de um amigo meu, visto podermos partilhar estas coisas até cinco consolas diferentes com um único pagamento. Vamos lá ver se com esta história do ataque à rede, eles não mudam estas regras... :\

7 de maio de 2011

Dead Rising 2 [Zombrex Edition]

A caixa dos comprimidos.
Desenvolvido por: Capcom, Blue Castle Games
Publicado por: Capcom
Produtor: Keiji Inafune
Plataforma(s): PlayStation 3, Xbox360, PC
Lançamento: 24-09-2010 (EU, EUA), 28-09-2010 (EUA), 30-09-2010 (JP)
Género: Acção, Aventura, Surival Horror
Modos de jogo: Modo história para um ou dois jogadores (Co-Op online), Modo multiplayer online para até quatro jogadores
Media: BluRay + DVD-Rom (Making Of)
Funcionalidades: Instalação no disco rígido (2.8GB mínimo), Gravação de progresso no disco rígido, Compatível com DualShock 3, Suporte HD 720p e 1080i, DLC adicional
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o três vezes.

(Sol, chuva, sol, chuva, sol, chuva...)

Zombies! Já escrevi imenso acerca deles por estas bandas portanto não vou estar a repetir novamente aquilo que provavelmente já leram anteriormente ou já sabem por "experiência". Em vez disso prefiro escrever um pouco acerca desta edição que me chegou à mãos pouco depois do seu lançamento em Setembro de 2010, por cerca de 35 euros. Como é costume, foi comprada online para evitar alimentar os chulos de cá. Tratando-se da Zombrex Edition, vem num steelbook, em forma de caixa de comprimidos que comporta o disco de jogo e um DVD com o Making Of. Ao contrário da versão americana, não traz os panfletos de informação médica nem as brochuras do medicamento, o que é pena pois torna-a um pouco incompleta a meu ver. Mas tal como esta, faz-se acompanhar de uma pequena caixa de cartão onde está incluída uma réplica de uma seringa, semelhante às que apanhamos no jogo para administrar o "antídoto" aos que foram infectados para prevenir a transformação. Neste caso, esta seringa é uma caneta com um líquido azul. E sim, escreve. :P

6 de maio de 2011

Gran Turismo

A melhor capa de GT até hoje.
Desenvolvido por: Polyphony Digital
Publicado por: Sony Computer Entertainment
Designer: Kazunori Yamauchi
Plataforma: PlayStation
Lançamento: 23-12-1997 (JP), 08-05-1998 (EU), 12-05-1998 (EUA)
Género: Condução, Corridas
Modos de jogo: Modo arcade para um ou dois jogadores, Modo simulação para um jogador
Media: CD-ROM (650MB)
Funcionalidades: Gravação de progresso no Memory Card (5-15 Blocos), Compatível com Controlo Analógico, Compatível com Controlos adicionais
Estado: Completo
Condição: Boa mas apresenta algumas marcas de uso
Viciómetro: Demasiadas horas, praticamente tudo feito e desbloqueado.

(Estamos a andar rápido.)

Sem um único autocolante!
Há uns dias atrás publiquei a minha análise a Gran Turismo 3, um dos primeiros jogos que joguei na PS2 mas o facto é que esse mesmo já não era novidade e o impacto que teve não foi tão grande quanto esperava. Muito antes disso, na velhinha PlayStation o "avô" de GT3 fazia as delícias de todos e foi sem dúvida um dos jogos mais marcantes e importantes da história desta consola. Este meu exemplar foi adquirido a um particular, já há uns bons anos atrás por cerca de 5 mil escudos, estando usado e apresentando algumas marcas desse mesmo uso. Porém, nada de grave.

5 de maio de 2011

Castlevania - The Adventure Rebirth

O comando não tem Confirm Button...
Desenvolvido por: M2
Publicado por: Konami
Director(es): Toshiyasu Kamiko, Akihiro Minakata, Keisuke Koga
Produtor: Koji Igarashi
Compositor: Manabu Namiki
Plataforma: WiiWare
Lançamento: 27-10-2009 (JP), 28-12-2009(EUA), 26-02-2010 (EU)
Género(s): Aventura, Plataformas
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Suporte Digital
Funcionalidades: Gravação de progresso na memória interna da Wii.
Outros nomes: Dracula Densetsu ReBirth (ドラキュラ伝説 ReBirth)
Estado: Não se aplica.
Condição: Não se aplica.
Viciómetro: Acabei-o duas vezes.

(Nunca mais chegam os 40 graus à sombra...)

Caveiras fashion!
Todos sabemos que a saga Castlevania é provavelmente uma das mais antigas que ainda hoje sobrevive no meio de tantos franchises novos. Mas isso só prova que tem aguentado o teste do tempo, tanto mantendo um aspecto clássico como os primeiros jogos como apostando num look mais actual e bem diferente daquilo a que os fãs estão habituados. Seja como for, continua a manter o seu encanto e a conquistar novas frentes. Como seguidor fiel da série que sou, tento jogar todos aqueles que realmente me interessam (sim, existem excepções nesta saga, tal como noutras) e o jogo de hoje não foi excepção. Não existindo em suporte físico lá tive de fazer download na Wii Shop Channel após ter lá deixado 1000 pontos, o equivalente a 10 euros. Digamos que são um bocado para os chulos mas por um Castlevania até fecho os olhos...

4 de maio de 2011

Resident Evil - The Darkside Chronicles

Capa porreira.
Desenvolvido por: Capcom, Cavia
Publicado por: Capcom
Director(es): Yasuhiro Seto, Hiroaki Kotake
Produtor(es): Masachika Kawata, Kentaro Noguchi
Argumentista(s): Shotaro Suga, Yasuhiro Seto, Haruo Murata
Compositor(es): Shusaku Uchiyama, Takeshi Miura
Plataforma: Nintendo Wii
Lançamento: 17-11-2009 (EUA), 27-11-2009 (EU), 14-01-2010 (JP)
Género: On-rail Shooter
Modos de jogo: Modo história para um ou dois jogadores
Media: DVD-ROM (4.7GB)
Funcionalidades: Gravação de progresso na memória interna da Wii, Compatível com o modo 50/60Hz, Compatível com o modo EDTV/HDTV.
Outros nomes: Biohazard: The Darkside Chronicles (バイオハザード/ダークサイド・クロニクルズ) (JP)
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Muitas e muitas horas de jogo, tendo acabado o dito para aí umas 10 vezes.

(Preciso de sol, muito sol!)

Polícias zombie!
Uma vez fiz um teste para saber quanto tempo iria sobreviver durante um Apocalipse zombie e o resultado foi surpreendente. As perguntas faziam todas sentido dentro do contexto, com diversas hipóteses de resposta, umas mais correctas do que outras, tanto a nível prático como a nível moral. Mas a moral é algo que deixa de fazer sentido numa situação destas, pelo que devemos sempre apelar ao lado prático da coisa. O resultado? Iria sobreviver até ao fim, até não haver mais zombies! No fundo até podia nem esperar outras coisa pois com os jogos de zombies que já joguei é normal que conheça as "regras" para sobreviver e ser mais forte. E o que tem isto a ver com o jogo de hoje? O jogo tem zombies, muitos, entre outras criaturas. Este exemplar comprei-o numa loja online, algures em 2010 por cerca de 16 euros, penso eu de que.