16 de fevereiro de 2019

Gargoyle's Quest II

Mais uma capa personalizada!
Desenvolvido por: SunL
Publicado por: Capcom
Produtor: Tokuro Fujiwara
Designer: Ryo Miyazaki
Compositor: Yuki Iwai
Plataforma(s): Game Boy, Nintendo Entertainment System
Lançamento: 16-04-1993 (JP)
Género(s): Acção, Aventura, Plataformas, RPG
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Cartucho de 1-megabit
Funcionalidades: Sistema de passwords
Outros nomes: Makaimura Gaiden: The Demon Darkness (魔界村外伝 The Demon Darkness) (JP)
Estado: Repro, apenas cartucho mas tenho a caixa feita
Condição: Boa
Viciómetro: Acabei-o umas cinco ou seis vezes.

(Fun fact: Bela Lugosi foi enterrado com o fato de Drácula.)

Esta foi fácil de editar.
Hoje em dia é comum vermos reproduções de jogos antigos, mais a mais, aqueles que valem uma pequena fortuna e que nem sempre se encontram com facilidade mesmo que queiramos investir. Estas variam muito em qualidade e em preço, podendo serem baratíssimas ou quase o mesmo preço que o jogo original em certos casos. Mas no grande esquema das coisas, mais vale investir no original se tivermos possibilidade disso. Claro que quando uma repro é bem feita e pelo preço certo, eu não me importo de optar por esta via até porque sempre temos a benesse de podermos optar por uma rom com algum hack que melhore ou corrija problemas que o jogo original possa ter, ou até mesmo uma tradução completa em inglês. E há algumas feitas maioritariamente por americanos, onde a relação qualidade/preço é bastante aceitável (entre os 30 e 40 dólares será um bom limiar) e outras, feitas na china que são deploráveis apesar de em fotos parecerem decentes (custam por norma entre 10 a 20 euros). Estas usam materiais de qualidade muito dúbia, seja na caixa, cartucho ou instruções, dimensões estranhas que podem afectar a maneira como o cartucho entra na consola e até na caixa e o pior, há gente por cá a tentar vendê-las como sendo originais no OLX por 10x o preço que pagaram em sites como o Aliexpress. O jogo que apresento aqui hoje entra nesta categoria embora não seja terrível de todo pois custou apenas 6 euros com portes algures entre Setembro e Outubro de 2018.


O cartuchito personalizado a gosto.
Gargoyle's Quest II é a sequela do clássico spin-off da saga Ghost 'n Goblins que teve início no Game Boy onde Firebrand (também conhecido por Red Arremer) tinha de salvar a sua amada Ghoul Realm dos mauzões que por lá habitam. Desta vez tem de fazer... exactamente o mesmo. Enquanto treinava numa dimensão alternativa, uma estranha luz negra destruiu a sua cidade e ao regressar é confrontado com tal facto. Cabe-lhe então a tarefa de descobrir a origem deste mal e pôr fim ao mesmo. A titulo de curiosidade, este jogo foi originalmente lançado na NES, tendo saído em todo o lado mas a versão de Game Boy, que conta com dois níveis novos e power-ups a condizer, apenas saiu no Japão e Ásia.

Um dos novos poderes de Firebrand.
Na parte visual, Gargoyle's Quest II mantém o mesmo nível de qualidade e detalhe que o jogo original, com sprites grandes e bastante pormenorizados, com boas animações mas que devido ao seu tamanho contrastam um pouco com os cenários reduzidos devido às dimensões do ecrã da pequena portátil da Nintendo. Ainda assim,  as coisas funcionam com uma performance superior à do original, sem slowdown ou sprite flickering. Os cenários contam também com muito mais detalhe e animação. Sonoramente, Gargoyle's Quest II tem uma banda sonora a condizer, com temas bastante reminiscentes do primeiro jogo onde as faixas são bem catchy e proporcionam uma boa atmosfera de aventura ainda que possam tornar-se repetitivas dado o facto de não serem muitas. Mas isso era algo que no Game Boy não nos podíamos queixar muito e a meu ver não afecta nada a experiência. Os efeitos sonoros cumprem também o seu papel na perfeição, com muito poucos a serem reciclados do original.

Já te viste ao espelho?!
A mesma fórmula foi usada para esta sequela onde temos duas perspectivas: top down e sidescroller, sendo que a primeira é usada para explorarmos o mundo e cidades, podendo interagir com NPCs e outros objectos e a segunda é apenas usada para as partes de acção. O jogo não deixa de ter os seus elementos RPG onde podemos aumentar os nossos poderes, vida e armadura, bem como habilidades para podermos progredir em certas áreas. Firebrand é também mais ágil agora, não só devido ao jogo correr melhor mas também devido a novas habilidades que tornam o combate e exploração dos níveis mais dinâmico. Achei o jogo mais fácil que o original devido a isto e também pelo facto de podermos comprar vidas extra com os Vials que vamos recolhendo ao longo do jogo. Em cada cidade há por norma um NPC que nos permite "gravar" o progresso via passwords.

Este gajo nem se levanta da cadeira.
Quanto a esta repro em si, a qualidade da mesma é questionável pois os plásticos do cartucho são de péssima qualidade, bem como a impressão da label que é má e a mesma é uma imagem da versão original de Famicom, mal amanhada. Mas o que interessa é o interior e isso está como esperava. É uma romhack onde basicamente se pegou no script inglês do jogo de NES e meteu-se na rom de Game Boy, funcionando tudo de forma irrepreensível. Tomei a liberdade de fazer uma label decente para o jogo, bem como uma caixa (que ainda não imprimi) faltando apenas fazer o manual pois isso dá uma trabalheira imensa. Por outro lado, devido a PCB usada ser uma treta e não encaixar nos cartuchos originais, tinha aqui um danificado que serviu para o efeito ficando melhor do que o que era inicialmente.

Gargoyle's Quest II é um óptimo jogo a ter no Game Boy, seja o original ou uma repro traduzida como esta até porque o texto do jogo não é de todo necessário para se apreciar e concluir o mesmo ainda que ajude. Não aconselho este tipo de repros chinesas mas no caso de jogos de Game Boy mais raros e caros, por 6 euros o cartucho penso que não seja o fim do mundo, especialmente se tiverem meios de depois o modificarem ao vosso gosto. Sendo assim, temos aqui um REPROLHÃO DE FORÇA! Ok, vocês perceberam...

Próximo jogo: um port de Dreamcast na PS2.

MURRALHÕES DE FORÇA:
 

Sem comentários:

Publicar um comentário