26 de fevereiro de 2019

Shantae and The Pirate's Curse

A artwork é sempre excelente.
Desenvolvido por: WayForward Technologies
Publicado por: WayForward Technologies, Rising Star Games (3DS), Oizumi Amuzio Inc. (Switch JP)
Director: Matt Bozon
Produtor: Christopher Shanley
Designer: Kyle Bardiau
Artista: Henk Nieborg, Chris Drysdale
Argumentista: Matt Bozon
Compositor(es): Jake Kaufman
Motor de jogo: EngineBlack
Plataforma(s): Nintendo 3DS, Nintendo Switch, Nintendo WiiU, PlayStation 4, Amazon Fire, PC, XboxOne
Lançamento: 23-10-2014 (EUA), 05-02-2015 (EU), 19-11-2015 (JP) (3DS)
Género(s): Plataformas, Metroidvania
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Cartão de jogo
Funcionalidades: Gravação de progresso no cartão SD
Estado: Completo
Condição: Impecável
Viciómetro: Acabei-o uma vez mas hei-de repetir a dose.

(Fun fact: um mosquito tem 47 dentes.)

Traseira da versão americana.
Certas séries de jogos começaram a sua vida de forma subtil e sem dar muito nas vistas. Oriundas de sistemas como o Game Boy, por exemplo, deram os seus primeiros passos e foram evoluindo para coisas maiores e com mais viabilidade mas mantendo sempre a sua identidade e nunca almejando competir contra os chamados AAA que agora inundam o mercado com a sua qualidade dúbia e cada vez mais repetitivos. Shantae é sem dúvida um desses casos contando já com quatro excelentes jogos e que todos eles partilham os mesmos elementos comuns: diversão e qualidade. O exemplar que aqui apresento hoje é mais um capítulo nesta saga e foi adquirido algures entre Novembro e Dezembro de 2015 numa promo da eShop. Só não me lembro do preço mas foi baratinho. Edit: A versão física entrou na colecção a 22 de Abril de 2019, tendo custado cerca de 20 euros na Amazon. (Fotos em breve)

Há sempre gente interessante a conhecer.
Shantae and The Pirate's Curse leva-nos uma vez mais a Sequin Land onde a pequena Shantae vive rodeada dos seus amigos e companheiros. Após os eventos do jogo anterior, Risky's Revenge, onde Shantae destruiu os seus poderes de génio, ela tenta agora levar uma vida normal como a dos humanos comuns. Claro que isto é sol de pouca dura pois Scuttle Town é atacada pelo Ammo Baron e Shantae é forçada a juntar forças com a sua rival, Risky Boots para colocar um ponto final a uma ameaça maior que paira sobre o horizonte.

Um velho conhecido...
O grafismo de Shantae and The Pirate's Curse é um regalo para os olhos com cenários bastante diversificados e cheios de detalhe em diferentes locais de Sequin Land onde a pixelart é sem dúvida soberba. Os sprites que povoam estes são também excelentes com imensas animações e pormenores deliciosos, bem como existem imensos inimigos e personagens para serem apreciados. O efeito 3D neste jogo é utilizado com bastante mestria e prova que quando bem feito, o 3D resulta. A sensação de profundidade é muito boa e tudo sobressai de forma natural. A performance do jogo é óptima, com 60 frames constantes e sem problemas de espécie alguma.

A música composta por Jake Kaufman é aquilo que se podia esperar. Faixas ritmadas e divertidas, com um saborzinho oriental mas acima de tudo bastante memoráveis, conferem uma atmosfera perfeita ao jogo. E há muita música para ser ouvida ao longo dos diferentes locais que vamos poder explorar. Os efeitos sonoros continuam a ser igualmente bons, com alguns reminiscentes do jogo anterior e outros tantos novos.

Isto vai dar jeito!
Embora Shantae and The Pirate's Curse se jogue quase da mesma maneira que o anterior existem algumas diferenças notórias tendo em conta que Shantae perdeu os poderes. O controlo de Shantae mantém-se praticamente inalterado onde podemos correr, saltar e atacar os inimigos com o cabelo mas não havendo poderes, Shantae tem agora outra habilidades disponíveis para colmatar essa omissão. Estas vão sendo apanhadas ao longo da nossa demanda e resumem-se a objectos dos piratas que permitem ir progredindo por novos caminhos previamente bloqueados, como é normal neste género de jogo. E claro, temos também os habituais itens e upgrades que podemos adquirir com as gems que vamos recolhendo pelo caminho.

Que remédio, né?
Sem a habilidade de dançar, Shantae tem agora uma lâmpada de génio que pode usar para recolher gems, transportar magia negra e ainda outros gases que possam ser úteis. A progressão do jogo embora decorra do mesmo modo, desta vez leva-nos a visitar diversas ilhas que não estão interligadas num mundo só, algo que pode recordar-vos de outros jogos semelhantes como por exemplo Castlevania - Order of Ecclesia (já aqui analisado). A versão física inclui ainda um extra não presente na digital que dá pelo nome Super Shantae NAB!, um mini-jogo incluído em WarioWare D.I.Y. e nos permite recolher gems adicionais. A titulo de curiosidade, o jogo permite ainda o uso do Circle Pad Pro para termos botões adicionais a utilizar podendo, claro, o touch screen ser utilizado na mesma.

Shantae and The Pirate's Curse é daqueles jogos obrigatórios a ter se gostam do género Metroidvania pois é sem dúvida alguma um dos melhores títulos que vão poder jogar. E considerando que saiu para diferentes plataformas é só uma questão de escolher qual aquela que vos dá mais jeito para poder apreciar este verdadeiro JOGALHÃO DE FORÇA!

Próximo jogo: o remake de um survival horror há muito esperado, na PS4.

MURRALHÕES DE FORÇA: 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário