24 de janeiro de 2019

3D Streets of Rage

Mais uma capa feita!
Desenvolvido por: M2
Publicado por: Sega
Director: Noriyoshi Ohba
Designer(s): Noriyoshi Ohba, Hiroaki Chinoa
Compositor(es): Yuzo Koshiro
Plataforma(s): Nintendo 3DS (eShop)
Lançamento: 21-08-2013 (JP), 19-12-2013 (EU/EUA)
Género: Beat 'em up
Modos de jogo: Modo história para um jogador
Media: Formato Digital
Funcionalidades: Gravação de progresso no cartão SD, Multiplayer local
Outros nomes: 3D ベアナックル 怒りの鉄拳  - 3D Bea Nakkuru: Ikari no Tekken, "Bare Knuckle: Furious Iron Fist" (JP)
Estado: Não se aplica
Condição: Não se aplica
Viciómetro: Acabei-o várias vezes.


(Hoje não me cheira que vejamos o sol.)

Fruta neles!
Durante grande parte dos anos 90, a guerra entre a Nintendo e a Sega era bastante acesa, onde ambos os lados tinham uma legião de fãs que os defendia com unhas e dentes. O campo de batalha era um pouco por todo o lado, mas sobretudo nas escolas, onde amigos, irmãos e companheiros, discutiam sobre qual das consolas de ambas as marcas era a melhor, a mais potente, aquela com os melhores jogos. Hoje em dia sabemos que ambas são excelentes, com um catálogo vasto de bons títulos mas naquela época somente interessava o lado escolhido. Sendo eu um Nintendo fanboy naqueles tempos, a Sega era como um bicho papão que lentamente comecei a explorar à revelia de outros que eram irredutíveis na sua decisão. E assim deixei de ver a saga Final Fight como o expoente máximo dos beat 'em ups para dar uma oportunidade ao seu brilhante rival, Streets of Rage. E rapidamente me apercebi do quão boa esta série é e também do quão se consegue distanciar da concorrência. Uns valentes anos mais tarde, algures entre Março e Abril de 2018, apanhei o mais recente port 3D na eShop numa promoção. E claro, tenho o original num daqueles multicarts da MegaDrive à espera de ser esmiuçado um dia destes.


O trio de serviço.
3D Streets of Rage é mais um excelente port por parte dos grandes mestres da M2, que ultimamente só têm feito coisas boas neste departamento. Tal como o jogo que anteriormente analisei aqui, este port conta com diversas inovações mantendo aquilo que tornou o jogo original tão bom e famoso. A trama de Streets of Rage é igual a tantas outras daquela época onde um poderoso sindicato criminoso liderado pelo obscuro Mr. X toma conta das rédeas de uma cidade algures nos Estados Unidos (assim pensamos nós no nosso imaginário) e cabe aos nossos três heróis, Axel Stone, Blaze Fielding e Adam Hunter, todos eles peritos num estilo de luta específico, tramar os planos do vilão. O mais caricato no meio disto tudo é que os três são supostamente ex-policias, apesar de serem relativamente jovens, obrigados a deixar a força para combater o crime. Ah, e ainda são ajudados pela polícia. Faz algum sentido?

Com pessoal do bairro tem de ser assim.
Como esperava após o port de Shinobi III, em 3D Streets of Rage deparei-me com um tratamento muito semelhante. O grafismo original permanece intacto, tendo sido adaptado às dimensões do ecrã da 3DS sem sofrer com esse processo. Assim temos um jogo fluido, bastante colorido e com os efeitos visuais de que nos recordamos, onde apesar de parecer bastante simplista ao início, lá mais para o meio vemos algumas coisas com parallax scrolling a surgir para abrilhantar ainda mais a acção. Com o 3D ligado, a sensação de profundidade é sem dúvida excelente conferindo assim uma nova experiência visual a todo o jogo. Podemos também optar pelo modo clássico e assim desfrutar de umas scanlines como nos velhinhos CRTs.

Há gente que só quer ver o mundo a arder.
Na parte audível, a banda sonora de Streets of Rage é das melhores coisas a sair da geração 16-bit. O grande mestre Yuzo Koshiro é o responsável pelas faixas que complementam a acção e cada um delas é um mimo para os nossos ouvidos. A batida e o ritmo são inconfundíveis e acima de tudo memoráveis, fazendo desta banda sonora uma das minhas favoritas de sempre e ofuscando praticamente todos os títulos do género. No geral, os efeitos sonoros são bastante bons ainda que tenham aquela gritiness característica de muitos jogos de MegaDrive. Neste aspecto sinto um bocado a falta do som da SNES que a meu ver sempre foi mais pujante.

Estas tipas são umas bitches do pior!
No departamento que nos interessa sempre mais, a jogabilidade, 3D Streets of Rage é soberbo. O mesmo controlo sólido está aqui presente, sem diferença nenhuma face ao original a não ser o facto dos botões serem mais pequenos do que os de um comando de MegaDrive. Ainda assim, nada disto impede que a acção seja desfrutada da mesma forma, com diversos níveis a percorrer, cheios de inimigos e sempre com um boss para derrotarmos. E a grande diferença que noto de Streets of Rage para outros jogos do género é mesmo a mecânica ser a mesma mas o resultado ser diferente, ser em muitos pontos melhor pois os inimigos reagem às nossas acções, muitas das vezes ficando mais rápidos por momentos. Cada personagem que podemos usar tem os seus prós e contras mas todas elas são divertidas de pegar e pelo menos terminar o jogo uma vez. E claro, temos sempre o nosso backup policial para nos ajudar contando que não os chamamos à toa contra as hordas mais fracas (no último nível não funciona, o que faz sentido dada a localização).

Este elevador tem peso a mais...
Em termos de extras, para além do que já referi na parte visual, na parte sonora podemos optar por ouvir o áudio como se fosse na MegaDrive modelo 1 ou 2. Temos também uma opção chamada Fists of Death onde os inimigos morrem com um murro apenas. Torna o jogo estupidamente fácil (coisa que não é jogando normalmente) mas tem a sua piada. E claro, sem esquecer que podemos jogar a versão Japonesa se nos der na gana. O jogo conta ainda com multiplayer embora este seja apenas local mas é mesmo caso para dizer que é melhor do que nada.

O mauzão veste Armani, acho eu...
3D Streets of Rage é sem dúvida o melhor port deste jogo e prova que a M2 são mestres desta arte de transformar algo antigo em algo "novo" com pequenos extras que fazem toda a diferença quando se trata de lançar novamente um jogo que já saiu em outras plataformas. Como tal, não restam dúvidas que temos aqui um JOGALHÃO DE FORÇA!

Próximo jogo: uma surpreendente aventura na PS2.

MURRALHÕES DE FORÇA: 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário